João Santos Duarte

João Santos Duarte

Jornalista

  • Manuela Moura Guedes: “Acho que José Sócrates é um psicopata”

    A Beleza das Pequenas Coisas

    Oito anos depois de ter sido afastada do Jornal Nacional das sextas-feiras da TVI, uma decisão que garante ter sido a mando do ex-primeiro ministro José Sócrates, Manuela Moura Guedes fala sobre o caso da “Operação Marquês", o controlo do sistema judicial, o silêncio do PS e a geringonça de Costa, e revela ainda estar pronta para voltar ao jornalismo, numa entrevista que pode ouvir no podcast “A Beleza das Pequenas Coisas”

  • 24 horas no inferno

    Sociedade

    João Santos Duarte

    Um dia de fogo e terror como não se via há mais de uma década (523 incêndios num só dia); uma ministra que não se demitiu antes, mesmo que fosse mais fácil ter tido as férias que não pôde ter, e que agora acabou por não poder mais adiar o inadiável; um primeiro-ministro que diz que os portugueses são adultos para perceberem que não há varinhas mágicas que resolvam os problemas. E, pelo meio, a verdadeira tragédia: pelo menos 41 mortos, mais de 60 feridos e dezenas de pessoas que perderam tudo o que tinham. Este é o filme das 24 horas mais dramáticas que o país viveu recentemente, apenas quatro meses depois da tragédia de Pedrógão Grande

  • Ana Moura: “Foi com Prince que perdi os meus maiores medos”

    A Beleza das Pequenas Coisas

    É a artista portuguesa mais internacional da atualidade. O seu sentir é de fadista, mas há nela uma energia de estrela rock que lhe assenta tão bem e a juntou em tempos aos Rolling Stones e, mais tarde, a Prince. Um dos maiores artistas do reinado da pop revelou-se o seu maior fã e chamava-a mesmo ‘Our Queen’. Depois de “Desfado”, o seu disco mais platinado de sempre, Ana Moura regressa agora aos palcos do Coliseu de Lisboa (dia 14 de outubro) e do Porto (dia 21) para celebrar a tripla platina de “Moura”, um disco onde se reinventou e se mostrou livre das amarras do fado. “Perdi o medo dos julgamentos. Estou cansada de toda a gente ter uma opinião sobre mim e o meu futuro.” O futuro à deusa Moura pertence que numa conversa emotiva recorda os tempos de menina, o disco de rock que gravou aos 18, as noites longas nas casas de fado, a solidão que a acompanhou durante anos e o encontro com Prince que lhe mudou a atitude para a vida e para a música. E ainda há um ‘fado que não é bem fado’, de Cartola, que canta à capela em exclusivo para o Expresso. Para ouvir neste episódio do podcast “A Beleza das Pequenas Coisas”

  • Alexandre Quintanilha: “Não tenho orgulho nem vergonha de ser cientista, branco, homossexual ou africano de alma. É o que sou”

    A Beleza das Pequenas Coisas

    O cientista e deputado independente do PS, Alexandre Quintanilha, recorda a infância passada em Moçambique, a educação progressista dos pais, as primeiras paixões, os caminhos que o levaram à ciência e os desafios do coração que o levaram a conhecer há quase quarenta anos, em São Francisco, o amor da sua vida – o escritor Richard Zimler. “Sou muito romântico. Gosto do processo de aproximação a outra pessoa. Sei que sofro mais por ser um romântico, mas não estou nada arrependido. Só não percebo porque é que têm de existir barreiras ao amor.” Revela ainda os combates sociais e do conhecimento que trouxe para o Governo a bordo da geringonça (uma expressão que até aprecia bastante), as contradições da ‘sua’ América e os perigos que o mundo enfrenta. Ainda há tempo para nos dar música, refletir sobre os mistérios do amor e o que ainda quer viver. Para ouvir neste episódio do podcast “A Beleza das Pequenas Coisas”

  • Ondas gravitacionais. A chave que pode abrir os segredos do Universo

    Arquivos Expresso

    João Santos Duarte e João Roberto

    O Prémio Nobel da Física de 2017 foi esta manhã atribuído a três cientistas pela deteção das primeiras ondas gravitacionais previstas na Teoria da Relatividade de Einstein. O Expresso republica a reportagem feita por João Santos Duarte em Pisa, Itália, em 2016, no centro europeu que colaborou com o centro americano que ajudou à descoberta agora premiada. Este é o momento da partilha – vamos mostrar-lhe as maravilhas do Universo. E um segredo, um grandioso segredo

  • Nuno Markl: “Para se fazer comédia há que ter um certo trauma e coisas a torturar-nos cá dentro”

    Podcasts

    O podcast “A Beleza das Pequenas Coisas” regressa de bom humor com Nuno Markl. Ele é um dos nossos mais talentosos humoristas e contadores de histórias. Anda há mais de 20 anos a morder histórias reais, surreais e ficcionais para trazer boa disposição à rádio, à televisão ou ao cinema. Aos 46 anos prepara-se para estrear a sua primeira série de ficção, “1986”, na RTP, e no próximo dia 6 de outubro subirá ao palco do Coliseu de Lisboa para celebrar os 20 anos da rubrica “O Homem Que Mordeu o Cão”. Markl recebeu-nos na cave da sua moradia para falar dos limites da comédia, das suas eternas inquietações e obsessões, a recente zanga com as redes sociais, as transformações provocadas pela paternidade e as músicas e séries que o acompanham

  • A Beleza está de volta, com Nuno Markl: a salvação vem pelo humor

    Multimédia

    Bernardo Mendonça e João Santos Duarte

    Depois de um intervalo para férias, o podcast "A Beleza das Pequenas Coisas" regressa esta sexta-feira com uma nova temporada de conversas e histórias de vida. O humorista que anda há mais de vinte anos a morder as notícias mais insólitas do país e do mundo na rádio é o primeiro ilustre convidado. Nuno Markl recebeu-nos na sua cave para dar a conhecer um pouco mais sobre si e o seu mundo."A tragédia resolve-se dentro de nós por via da comédia. O humor salva. Se eu não tivesse seguido a via do humor seria um tipo negríssimo, triste, desgraçado." Um programa moderado por Bernardo Mendonça, com edição de João Santos Duarte. Espreite aqui os bastidores deste episódio, disponível a partir de sexta-feira no site do Expresso, iTunes e Soundcloud

  • “Estamos aqui para formar animais de combate”: oito meses dentro dos Comandos

    Multimédia Expresso

    Aprendem a sobreviver e a matar silenciosamente, a superar os limites da força humana e da dor, mas também a lidar com as situações mais violentas e incontroláveis. No mês em que se assinala um ano da morte de Hugo Abreu e Dylan da Silva na “prova zero” dos Comandos, o Expresso mostra-lhe um olhar inédito e exclusivo do curso 127. São oito meses de reportagem, desde o primeiro dia de recruta até à boina vermelha. Esta é a história impressionante e nunca contada sobre o curso dos Comandos