O biombo chinês

Ninguém prevê aquilo que importa. Por exemplo, os inícios das grandes guerras nunca são vistos como os inícios das grandes guerras. À posteriori, os historiadores marcaram 1914 como início da I Guerra, mas ninguém no ali e agora de 1914 estava à espera da magnitude do terramoto que se seguiu. Se apontarmos a câmara ao nosso tempo, vemos algo parecido: a queda do muro, a queda das torres, a queda de Wall Street, a ascensão de Trump e o Brexit, o enfraquecimento brutal da esquerda por essa Europa fora, a ascensão de Obama – tudo isto foi surpreendente.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)