Diário

Três marroquinos denunciaram alegado jiadista de Aveiro

A carta enviada ao Expresso por Abdessalam Tazi, da cadeia de Monsanto

Foto João Carlos Santos

Suspeito de recrutar jovens para a Síria, Abdessalam Tazi escreveu ao Expresso a contar a sua versão. O marroquino, de 63 anos, está em prisão preventiva na cadeia de alta segurança de Monsanto, desde março

Uma carta de três páginas escrita à mão pelo marroquino Abdessalam Tazi veio revelar novos dados num processo de terrorismo de cariz jiadista que passa por pelo menos seis países e envolve uma tentativa de atentado em França.

Num português esforçado, o marroquino de 63 anos, que está desde março em prisão preventiva na cadeia de alta segurança de Monsanto (Lisboa) por suspeitas de ligações a organizações terroristas, queixa-se na missiva ao Expresso que foi denunciado às autoridades portuguesas por três cidadãos marroquinos, um deles irmão mais velho de Hicham El Hanafi, com quem dividia um apartamento em Aveiro há alguns meses e que foi preso em França em novembro do ano passado por preparar um ataque jiadista em Marselha.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)