Diário

Ex-presidente da Raríssimas só sai da Casa dos Marcos se for despedida

ana baião

Paula Brito e Costa deixou a liderança da associação mas continua como diretora do projeto assistencial a doentes assegurado nas instalações na Moita. Se for afastada deste cargo, isso será “um despedimento”, com “o pagamento da respetiva indemnização e o subsídio de desemprego”

Três dias depois de ter avançado ao Expresso que ia demitir-se da presidência da Raríssimas, Paula Brito e Costa tomou uma segunda decisão: sai da associação mas mantém-se na liderança da Casa dos Marcos, infraestrutura assistencial a doentes situada na Moita, da qual é diretora-geral. Trabalhar a partir da residência é, para já, a opção.

"É muito fácil fazer a gestão da Casa dos Marcos. Se não me quiserem, então vamos ter de chegar a acordo", disse ao Expresso. Paula Brito e Costa garante que o afastamento também da infraestrutura assistencial às crianças com doenças mentais ou raras implicará "um despedimento, o pagamento da respetiva indemnização e o subsídio de desemprego".

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)