Diário

Rede de médicos voluntários vai apoiar portugueses na Venezuela

Daniel, de 1 ano, faz o passaporte português, durante a visita do secretário de Estado

José Luís Carneiro visitou pela quarta vez a Venezuela desde que é secretário de Estado das Comunidades Portuguesas. Encontrou um país com menos tensão política mas cada vez mais mergulhado numa recessão económica

Durante quatro dias na Venezuela, José Luís Carneiro encontrou um país onde quase ninguém consegue aceder a bens de primeira necessidade, onde falta emprego, onde se emigra em grande número. Só Portugal terá recebido no ano passado cerca de seis mil pessoas e outras tantas terão pedido nacionalidade portuguesa. Para apoiar quem fica foi esta semana criada uma rede portuguesa de assistência médica e social, de médicos voluntários, que vai atuar em 5 dos 23 estados do país, que se junta aos apoios monetários para emigrantes e idosos carenciados coordenados pelos serviços consulares.

A Venezuela vive em recessão económica. Quais são as maiores dificuldades vividas atualmente pelos portugueses e luso-descendentes? O que lhes falta?
A tensão e a crise política generalizadas diminuíram, mas agravou-se a crise económica e social. O país está a viver uma profunda recessão, agudizada pela falta de meios de pagamento e por uma grave desvalorização monetária. Os portugueses, como todos os outros, vivem estas dificuldades, mas têm conseguido enfrentar os desafios com grande espírito de trabalho e de sacrifício. Os que são empresários, sobretudo dos ramos da alimentação e da distribuição, empregam muitos milhares de outros portugueses, e foram criando, ao longo dos tempos, um amplo movimento institucional e algumas reservas financeiras que lhes tem permitido fazer face a algumas destas dificuldades. Outros, infelizmente, vivem situações mais vulneráveis. Para estes, temos garantido um acompanhamento e um apoio mais próximo, quer em termos de apoio financeiro ao movimento associativo de cariz solidário, nomeadamente no setor da saúde e na área alimentar, quer através dos apoios diretos aos mais vulneráveis.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)