Diário

Portagens nas SCUT custam 238 empregos e 14 empresas por município

A introdução de portagens nas antigas SCUT tem motivado inúmeros protestos nos últimos anos

Foto Rui Duarte Silva

Estudo publicado pelo Gabinete de Estratégia e Estudos do Ministério da Economia calculou o impacto negativo na economia local – e até nacional – da introdução de portagens em 2010 e 2011. O impacto estimado tem em conta municípios com 45 mil habitantes em média

João Silvestre

João Silvestre

Editor de Economia

SCUT. Sem custos para o utilizador. Uma sigla que entrou no léxico dos portugueses na década de 90 quando nasceram as primeiras destas auto-estradas e que tem sido um fator de discórdia nos últimos anos quando o S inicial desapareceu e estas vias passaram a pagar portagens. Continua a haver protestos em várias regiões e há até a promessa do ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, de avançar em breve com descontos, pelo menos para as mercadorias na antiga SCUT do Interior.

A realidade é que, a partir do momento em que deixaram de ter custos para o utilizador, as SCUT passaram a ter custos para as regiões onde estão localizadas. Um estudo publicado pelo Gabinete de Estudos e Estratégia do Ministério da Economia, da autoria de David B. Audretsch, Dirk Christian Dohse e João Pereira dos Santos, sobre o impacto da introdução de portagens em 2011 e 2013, calcula que implicaram, em média, a perda de 238 empregos e de 14 empresas por município afetado tendo em conta que cada um tem 45 mil habitantes.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)