Economia

Que dia vamos inventar hoje?

Só esta semana assinalou-se o dia das irmãs, do gato e do leão, além de vários santos e dos povos indígenas. Há marcas que aproveitam o crescimento destas efemérides

Já não há dias no calendário para tantas datas comemorativas. Parece haver dias para tudo, além das tradicionais efemérides instituídas há muito (como o Dia dos Namorados, do Pai e da Mãe), que funcionam ao longo do ano como motor de vendas para algumas marcas.

A Purina, marca de comida para animais da Nestlé, capitalizou esta semana o Dia do Gato (8 de agosto), com o lançamento de uma aplicação no Facebook que avalia o nível de traquinice dos gatos, o Traquinómetro. Esta ação não surge desgarrada só para criar momentos de entretenimento com quem tem este animal como companhia: “Ao longo do ano, vamos ativando eventos onde procuramos ajudar os consumidores a escolherem a nutrição que melhor se adapte ao seu gato”, explica Pedro Lourenço, responsável de marketing da Purina, associando as iniciativas de comunicação relacional e de notoriedade às ações comerciais. “O impacto nas vendas é medido indiretamente como consequência da preferência que os consumidores têm pela marca”, remata.

“A Purina associa-se a diversos eventos ao longo do ano com campanhas integradas desde o Natal, Dia do Animal, entre outras datas. Num âmbito mais digital também celebramos outras efemérides, como o Dia do Gato, Dia do Cão, Dia do Amigo, Dia da Família”, refere o responsável de marketing da marca da Nestlé. Pedro Lourenço, no entanto, garante que a Purina não tem envolvimento na criação destes dias. “O Dia Mundial do Gato, em particular, foi criado em 2002 pela International Fund for Animal Welfare para celebrar o animal de companhia mais popular do mundo”, acrescenta.

Fonte da Assembleia da República explica que a institucionalização de muitos destes dias passam pelo hemiciclo e são o resultado de iniciativas civis e petições, como aconteceu, por exemplo, com a proposta da União das Mutualidades Portuguesas para consagrar o 8 de julho como o Dia Nacional do Mutualismo.

Um calendário sem fim

Na Associação Portuguesa de Agências de Publicidade, Comunicação e Marketing (APAP), as datas comemorativas são apenas motivos para que as pessoas contactem e se unam a uma causa diária. “Vivemos na era do entretenimento e tudo serve para criar motivos para festejar. E esses novos dias [como, por exemplo, o do cão, do chá gelado, de limpar o computador e dos irmãos] não chegam a estar ligados a presentes, nem a marketing, nem a ações de marketing”, sustenta Sofia Barros, secretária-geral da APAP.

Se algumas datas estão instituídas a nível nacional e internacional por organismos do Estado, como a Assembleia da República, outras são apenas disseminadas nas redes sociais ou criadas por empresas com objetivos promocionais. É o caso do Dia Amarelo, promovido pela Nos para assinalar a estreia, a 29 de junho, do filme de animação “Gru, O Maldisposto 3”, onde algumas personagens Minions são amarelas.

Outras efemérides são fruto do acaso, como o Dia Mundial do Emoji (composição de imagens ou letras que transmitem a ideia de uma palavra ou emoção, como as carinhas amarelas, muito populares nas redes sociais e nas trocas de mensagens instantâneas): comemora-se a 17 de julho, por esta ser a data que surge assinalada no emoji que representa um calendário. Desde 2014 que este dia é comemorado com ações por todo o mundo, como as 20 óperas e bailados online da Royal Opera House de Londres interpretados por emojis. Estes símbolos também são usados por marcas noutras datas. A MTV, por exemplo, utilizou emojis em tamanho real numa campanha de sensibilização por ocasião do Dia Mundial de Luta Contra a Sida, a 1 de dezembro.

Entre as datas com temáticas mais leves, a marca de gin Hendrick’s aproveita o Dia Mundial do Pepino, a 14 de junho, para se juntar ao vegetal que complementa esta bebida e promover eventos. O site Mashable, por seu lado, assume a bandeira do Dia Mundial das Redes Sociais (30 de junho), enquanto o Dia do Emigrante (9 de agosto) serviu esta semana para promover a Festa de Verão das Caldas da Rainha junto dos caldenses da diáspora. Haja criatividade e que o calendário não se esgote.