Economia

Altice realiza dia mundial do grupo em Lisboa e diz-se empenhada em investir em Portugal

Michel Combes, o presidente executivo do grupo Altice, reafirmou esta segunda-feira o empenho da empresa em continuar a investir em Portugal, nomeadamente em infraestruturas e conteúdos. Já Cláudia Goya, a presidente da PT Portugal, sublinhou que a Altice espera chegar a 2020 com 5,3 milhões de casas com fibra, e lembrou que nos últimos dois anos e meio a empresa investiu em Portugal mil milhões de euros

Presente em Portugal no âmbito do dia mundial do grupo Altice, que reúne em Lisboa cerca de 150 quadros de topo da empresa franco-israelita, Michel Combes, não quis comentar, num encontro com jornalistas, a compra da Media Capital, negócio que está à espera da aprovação dos reguladores, limitando-se a dizer que confia na decisão das autoridades. A Altice fez uma proposta de compra da Media Capital, dona da TVI, uma operação que está neste momento a ser analisada pelos reguladores, nomeadamente a ERC e da Autoridade da Concorrência. A Anacom, cujo parecer não é vinculativo, chumbou a operação nos atuais moldes. Michel Combes elogiou o investimento da Altice em Portugal, dizendo que o grupo está satisfeito com rumo da empresa, e empenhado em continuar a investir no país.

O encontro mundial de quadros da Altice, a decorrer em Lisboa, e que conta com a presença do seu maior acionista e líder, Patrick Drahi, ficará marcado pela mudança de nome do Pavilhão Atlântico, que deixará de se chamar Meo Arena e passará a chamar-se a partir de agora Altice Arena. É um dos passos da mudança de nome de todas as empresas do grupo Altice a nível mundial, que a prazo terão todas a mesma designação. Quando o processo estiver concluído a marca Portugal Telecom irá desaparecer.

Cláudia Goya sublinhou na mesma conferência de imprensa que a Altice já investiu mil milhões de euros no pais e quer duplicar o número de startups apoiadas pela PT, atualmente cerca de 30. O objetivo é projetá-las a nível nível mundial através do grupo de Patrick Drahi, com presença na Europa, nos EUA e em Israel. "Estamos comprometidos com o ADN português, e queremos apoiá-lo. Queremos trabalhar com os fornecedores de referência portugueses e abri-los ao mundo", sublinhou. "Queremos promover os melhores conteúdos feitos em português e em Portugal", acrescentou ainda.