Economia

723,3 mil milhões de euros. Eis a dívida de empresas, sector público e famílias

O endividamento da economia voltou a subir em agosto mais 1,5 mil milhões. É um novo recorde.

723,3 mil milhões de euros. A economia portuguesa fixou em agosto um novo recorde de endividamento, retomando uma trajetória que só fora interrompida em julho.

Para o novo recorde de 723,3 mil milhões, o sector público foi o principal impulsionador. Num mês, o endividamento do sector não financeiro, divulgado esta sexta-feira pelo Banco de Portugal, registou uma subida de 1,5 mil milhões.

Duas velocidades

Este desempenho é uma moeda de duas faces. As empresas privadas e as famílias contribuíram para a desalavancagem da economia e a redução da dívida, Mas,o setor público registou um crescimento do endividamento de 2,4 mil milhões de euros para um total de 319,2 mil milhões de euros.

Segundo o Banco de Portugal, "o endividamento do sector não financeiro situou-se em 723,3 mil milhões de euros, dos quais 319,2 mil milhões respeitavam ao sector público e 404,1 mil milhões ao sector privado". Em Agosto de 2016, era de 713,9 mil milhões. Em Janeiro, o endividamento situava-se em 712 mil milhões.

Em 2017, o valor do endividamento em termos nominais, tem crescido todos os meses - julho foi a única exceção. Subiu mais de 10 mil milhões em oito meses.

O acréscimo do endividamento do sector público "reflecte o aumento do financiamento concedido pelas administrações públicas, particulares e sector financeiro, aumento esse parcialmente compensado pelo decréscimo do financiamento externo", explica o comunicado.

As empresas diminuíram o valor dos financiamentos pedidos em 900 milhões de euros.