Economia

Pesca da sardinha. Captura zero em 2018? “É um insulto”, dizem os pescadores

Rui Duarte Silva

O Conselho Internacional para a Exploração do Mar (ICES) insiste na tese da captura zero de sardinha para 2018. Mas, admite outros cenários

O Conselho Internacional para a Exploração do Mar (ICES), insiste: a melhor opção para 2018 é não haver pesca da sardinha no espaço ibérico. Mas, o parecer do ICES lida com outros cenários, admitindo no limite um nível de captura superior ao de 2017.

Há três meses, o organismo científico que aconselha a Comissão Europeia, defendera a suspensão da pesca de sardinha por 15 anos para que o stock regresse a níveis aceitáveis.

Com a recomendação do ICES para 2018, o ambiente volta a ficar em brasa. A Associação Nacional das Organizações de Produtores da Pesca de Cerco (ANOPCERCO) reagiu esta sexta-feira classificando a posição do ICES de "verdadeiro insulto a todos os pescadores portugueses" que nos últimos anos, "realizaram grandes sacrifícios para assegurar a melhoria do estado do stock de sardinha". A associação diz que a sardinha é um bem abundante e não escasso.

Há sardinha em abundância

A recomendação de captura zero para 2018 é insultuosa porque "está em total contradição com o orgulho e a satisfação que os mestres das embarcações da pesca de cerco" que lidam com uma realidade de "abundância de sardinha nas nossas águas, muito mais significativa do que que a que observaram nos últimos anos".

Esta semana, os pescadores atingiram o limite de captura permitido para 2017 pelo que só podem regressar à faina em 2018.

A frota com arte de cerco é responsável pela quase totalidade da captura de sardinha (97,6%), concentrada entre os meses de maio a setembro.

Cinco cenários

O ICES apresenta uma tabela com cinco cenários para 2018, dependente do acréscimo de biomassa que se pretende. A opção zero permitiria um reforço de 12% da biomassa. Nos outros cenários, o ICES admite capturas entre 4 259 até 24 650 toneladas. Em 2017, o limite foi de 23 mil toneladas.

Todas as hipóteses referidas pelo ICES "asseguram uma variação positiva da biomassa disponível de sardinha com idade superior a um ano", verifica a ANOPCERCO.

A associação confia que "no quadro das opções apresentadas pelo ICES" se construam soluções para o ano de 2018 que "reconheçam os esforços desenvolvidos pelos pescadores" e traduzam os sinais "francamente positivos no stock de sardinha, evidenciados nos cinco meses de atividade de 2017".

A avaliação que a ANOPCERCO fizera do relatório divulgado pelo ICES era encorajadora e positiva nos principais parâmetros. A biomassa disponível com um ou mais anos de idade, a estratificação de sardinhas por grupos de idade e a mortalidade por pesca "evidenciam melhorias relevantes no estado do stock de sardinha nas águas ibéricas", nota a organização.