Economia

Novo Presidente de Angola declara ‘guerra’ aos negócios de Eduardo dos Santos

João Lourenço venceu as eleições de 23 de agosto, substituindo José Eduardo dos Santos

MARCO LONGARI/AFP/Getty Images

Filhos do antigo Presidente podem perder monopólio nas telecomunicações, cimento e imagem institucional do governo

Gustavo Costa

Correspondente em Luanda

Com um subsídio de reforma de um milhão de dólares, José Eduardo dos Santos, amargurado, assistiu esta semana, no recato da sua nova residência no Bairro Miramar, ao início do desmoronar do seu império.

O ‘mensageiro da desgraça’ foi o novo Presidente, João Lourenço, que, numa entrada de rompante na abertura do Parlamento angolano saído das eleições de 23 de setembro último, declarou, de forma subtil, ‘guerra aberta’ ao seu antecessor.

Menos de um mês após Eduardo dos Santos ter abandonado o Palácio da Cidade Alta, alguns dos seus antigos colaboradores veem agora com apreensão a forma como João Lourenço começa a pôr em causa “a imensa cadeia dos interesses da família” do antigo Presidente.

Primeiro, foi o anúncio do fim dos oligopólios no sector da telefonia móvel e do cimento detidos por Isabel dos Santos.

Depois, pôs termo ao acesso direto que, na vigência de Eduardo dos Santos, os presidentes da Sonangol e da Endiama, reconduzidos em vésperas da sua investidura, tinham ao gabinete presidencial.

(Leia a notícia completa na edição do Expresso de 21 de outubro de 2017)

  • Moody's desce notação da dívida de Angola

    A agência de notação financeira Moody's desceu o 'rating' da dívida pública de Angola de B1 para B2, mantendo-a num nível de classificação altamente especulativo, decisão justificada com o fraco crescimento económico do país e a escassez de divisas