Economia

Uber paga 245 milhões de dólares a empresa do grupo Google para encerrar disputa judicial

GETTY

A Waymo, que apresentou queixa há um ano acusando a Uber de um refinado assalto a alta tecnologia, consegue impedir que a sua tecnologia seja usada nos carros autónomos da Uber

A Uber vai pagar 245 milhões de dólares (€200 milhões) para encerrar uma disputa judicial com a Waymo, uma empresa que nasceu na Google como projeto de desenvolvimento de automóveis auto dirigidos.

O acordo surpreendente anunciado na sexta-feira chega quando os advogados da Uber e Waymo se preparavam para a primeira semana do julgamento que atraiu atenção internacional.

A Waymo apresentou a sua queixa há cerca de um ano, aumentando as preocupações da Uber com menções a um refinado assalto a alta tecnologia, orquestrada pelo seu ex-presidente executivo, Travis Kalanick, e um antigo engenheiro da Google. Este engenheiro, Anthony Levandowski, foi depois trabalhar para a Uber, de onde foi despedido quando se recusou a responder a acusações de roubo.

À semelhança de muitos acordos, este também requereu compromissos pelas duas partes. A Uber ofereceu inicialmente 490 milhões de dólares para encerrar o caso, mas o acordo não garantia à Waymo que a sua tecnologia não seria usada impropriamente.

O acordo final corta esta verba ao meio, mas dá à Waymo a garantia que pretendia para impedir que a sua tecnologia fosse usada nos carros autónomos da Uber.

O pagamento vai ser feito em ações da Uber e é uma pequena parte dos cerca de dois mil milhões de dólares de prejuízos que a Wayme estima que o alegado roubo feito pela Uber lhe terá provocado.