Economia

Quarteirão da Pastelaria Suíça vendido por €62 milhões

O imóvel foi vendido pela Sociedade Hoteleira Seoane, dona dos hotéis Olissippo

FOTO NUNO BOTELHO

O comprador foi a empresa espanhola Mabel Capital, na qual participa o tenista Rafael Nadal

Ana Baptista

Ana Baptista

Jornalista

Quando se chega à Praça do Rossio, em Lisboa, há dois imóveis que saltam à vista: o Teatro Nacional D. Maria II e o quarteirão da Pastelaria Suíça, chamado assim porque é ali, na esquina com a Rua do Amparo, que aquele café está instalado desde 1922. Foi esse emblemático quarteirão que, há duas semanas, foi vendido a uma empresa espanhola chamada Mabel Capital, onde participa como investidor o tenista Rafael Nadal e que em Portugal é representada pela JCKL.

“A venda foi efetuada a uma sociedade de direito português de nome JCKL Portugal — Investimentos Imobiliários, no dia 26 de fevereiro, no cartório do notário Carlos Almeida, em Lisboa, pelo preço de €62 milhões, conforme consta da escritura pública de compra e venda”, confirmou ao Expresso fonte oficial do agora anterior proprietário, a Sociedade Hoteleira Seoane (SHS), numa resposta enviada por e-mail. Também fonte da Mabel Capital confirmou a venda por via telefónica.

Este montante está longe dos €74 milhões que são referidos pelo jornal online espanhol “El Confidencial”, que avançou com a notícia desta operação em primeira mão, mas o mercado garante que foi muito vantajoso, pelo menos para o vendedor.

Se se assumir a totalidade da área do imóvel, que é composto por quatro edifícios com frentes para o Rossio e para a Praça da Figueira e que ocupa 12 mil metros quadrados, terá sido vendido por mais de €5000 por metro quadrado. Mas, por norma, nestas operações imobiliárias não se incluem as áreas técnicas (condutas elétricas, por exemplo), ou seja, isso significaria que a área que entra para as contas seria inferior e por isso o preço por metro quadrado poderia mesmo superar os €6000.

Este valor está, assim, muito acima dos cerca de €3500 que já se pagou por alguns dos imóveis desta zona, ainda mais para um imóvel que se encontra em ruínas desde 2003 e que terá de ser totalmente recuperado. Ou seja, a Mabel Capital terá ainda de investir na reabilitação e posterior transformação dos edifícios.

Além disso, será o novo proprietário a terminar as obras coercivas que a Câmara Municipal de Lisboa obrigou a realizar e que estão em curso desde o final do ano passado. “Os trabalhos, que visavam acautelar situações de segurança do prédio, estão praticamente concluídos, cabendo a sua conclusão, agora, ao novo proprietário”, afirma a Seoane. De facto, segundo explica fonte da autarquia ao Expresso, as intervenções estavam relacionadas com segurança, porque “a cobertura estava a cair e até já tinha pequenos arbustos”.

Transformado em hotel?

A Sociedade Hoteleira Seoane, que detém e gere os cinco hotéis Olissippo que existem em Lisboa (Lapa Palace, Oriente, Marquês de Sá, Saldanha e Castelo), comprou o quarteirão da Pastelaria Suíça em 2003. Na altura, os edifícios, que antes tinham sido ocupados por escritórios e habitação, já estavam “num adiantado estado de degradação” e a precisar de obras. Só as lojas de rua estavam totalmente funcionais, como a Pastelaria Suíça, a Pérola do Rossio, a Casa da Sorte e a Ourivesaria Portugal (do lado do Rossio) ou ainda a Casa do Bacalhau e a Espingardaria, do lado da Praça da Figueira.

A ideia da Seoane era, então, transformar todo o imóvel num hotel de cinco estrelas, e, a 8 de abril de 2009, a empresa da família Seoane recebeu a aprovação por parte da autarquia para ali fazer uma unidade com 106 quartos, duas salas de reuniões, um health club com piscina, um restaurante e uma sala de chá. No piso -2 ficariam as áreas técnicas, no -1 o health club e a piscina, no piso 0 a receção e restaurantes e nos pisos 1 a 4 os quartos. O projeto antigo, a que o Expresso teve acesso, mantinha, pelo menos, a Suíça, já que a planta incluía as cozinhas e os fornos onde a pastelaria faz os bolos.

A decisão da Câmara — na altura liderada por António Costa — foi contestada pelo movimento Cidadãos por Lisboa e pela vereadora Helena Roseta, mas depois acabou por nunca andar para a frente, e, há cerca de um ano, a Seoane colocou o imóvel à venda por “decisões de gestão do grupo”, segundo adianta ao Expresso.

Resta agora saber se o projeto ainda está válido, uma vez que já passaram nove anos desde que foi aprovado, e se a Mabel Capital vai avançar com ele e fazer o hotel. Na notícia do “El Confidencial” refere-se que o uso a dar será, precisamente, hoteleiro e comercial. O Expresso questionou a empresa e a autarquia, mas até à hora de fecho desta edição não foi possível obter detalhes sobre o que ali vai ser feito ou quanto vai custar mais.

Rafael Nadal 
é um dos compradores

A Mabel Capital pertence a Abel Matutes Prats e a Manuel Campos, dois promotores imobiliários espanhóis, mas tem também como investidor o tenista Rafael Nadal, confirma a empresa ao Expresso.

Segundo o “El Confidencial”, até agora a Mabel apenas tinha investido em Madrid, onde tem, por exemplo, o edifício de luxo com as casas mais caras da capital neste momento, situado na Rua General Castaños. Este investimento em Lisboa é o primeiro que é feito em Portugal e surge no seguimento do bom momento imobiliário que o nosso país atravessa.