Economia

56% dos imóveis nortenhos estavam desocupados antes de serem alojamento local

marcos borga

Estudo da AHRESP, em parceria com o ISCTE, conclui que o alojamento local deu um forte contributo à dinamização das regiões Norte, Centro e Alentejo

O alojamento local fora de Lisboa também está a dar lugar à reabilitação de imóveis desocupados – conclui um estudo de caracterização do alojamento local nas regiões Norte, Centro e Alentejo, realizado pela Associação dos Hotéis, Restaurantes e Similares de Portugal (AHRESP), em parceria com o Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE) e a Sítios. O estudo decorreu ainda no âmbito do programa Quality promovido pela AHRESP com o objetivo de qualificar os alojamentos locais e o serviço prestado nas diferentes regiões nacionais.

Segundo o estudo, 56% dos imóveis na região Norte e 47% na região Centro estavam desocupados antes de funcionarem como alojamento local, e quase metade dos inquiridos prevê fazer melhoramentos nas habitações.

68% dos alojamentos locais no Porto são apartamentos

A conversão de imóveis para alojamento local foi um contributo decisivo para a dinamização das regiões Norte, Centro e Alentejo – enfatiza o estudo da AHRESP e do ISCTE.

No caso da região Norte, 70% das unidades de alojamento local estão concentradas no Porto, sendo que nesta cidade se referem na esmagadora maioria a apartamentos, que assumem aqui um peso global de 68%.

Na região Centro, com 31% dos alojamentos locais analisados, o estudo conclui que quase metade dos imóveis (47%) estavam desocupados antes de funcionarem como alojamento local. O destaque vai para cidades como Leiria –em que o maior peso aqui vem de Fátima, que tem 40% das unidades de alojamento local –, mas também Aveiro (21% do total) ou Coimbra (16%). Os proprietários de alojamento local na região Centro são sobretudo pessoas coletivas (em 57,2% dos casos) e veem a sazonalidade como o maior obstáculo ao negócio.

Relativamente ao Alentejo, o estudo evidencia que quase todos os proprietários de alojamento local (96%) avançam que vão continuar com esta atividade e antecipam uma evolução positiva da procura e das taxas de ocupação.

Cofinanciado pelo programa Compete 2020, este estudo da AHRESP analisou 2189 unidades de alojamento local em funcionamento, que representam 16% do total de oferta deste tipo oficialmente registada nas regiões Norte, Centro e Alentejo.