Economia

Têxtil JF Almeida faz hotel para emigrantes do Bangladesh

Com falta de mão de obra, a têxtil de Moreira de Cónegos foi procurar trabalhadores ao Bangladesh, para os quais agora vai construir alojamento. "Damos prioridade aos portugueses, mas não podemos ficar de braços cruzados", diz Joaquim Almeida, presidente da empresa

"A JF Almeida está a investir 400 mil euros numa espécie de unidade hoteleira, em Moreira de Cónegos, um edificio com 26 quartos para alojar os trabalhadores estrangeiros que está a importar para fazer face à enorme carência de mão obra especializada que afeta a nossa industria têxtil e de vestuário". A notícia é do Jornal T, da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal e mostra mais uma forma do sector lidar com o problema da falta de mão de obra para responder ao crescimento das encomendas internacionais.

"Há uma grande dificuldade em contratar gente para trabalhar ao lado das máquinas. Chegamos a ter uns 50 a 60 ucranianos. E, agora, temos recorrido a mão de obra importada do Bangladesh, estando já em cima da mesa a contratação de engenheiros têxteis. Damos prioridade aos portugueses, mas não podemos ficar de braços cruzados", diz Joaquim Almeida, presidente desta têxtil-lar numa entrevista a publicar na próxima edição deste jornal dedicado ao sector têxtil.

A empresa, fundada em 1979, por Joaquim Ferreira Almeida, começou por fazer telas para lençóis, mas acabou por se especializar nos felpos para banho e mesa, somando atualmente 580 trabalhadores, distribuídos por três unidades dedicadas à fiação e logística, tecelagem e área administrativa e tinturaria / acabamentos / confeção.

Com uma faturação de 42 milhões de euros no ano passado, a empresa exporta diretamente 92% do que faz e tem uma participação de 50% na Vayola, uma empresa espanhola, com sede em Valência, que fornece o sector da hotelaria e vendeu 12 milhões de euros em 2017. Na Argélia tem, também, uma fábrica, com um parceiro local.

A JF Almeida controla, ainda, 33% da Mi Casa Es Tu Casa, que tem uma marca própria de têxteis-lar e faturou 7 milhões de euros no ano passado.

Na entrevista ao T, o presidente da empresa aponta como grande vantagem competitiva " a capacidade de, num prazo de 24 a 48 horas, atender aos pedidos de qualquer ponto da Europa", admitindo a possibilidade de investir em mais um armazém.

Do lado contrário, como desvantagem, refere o custo da energia que "todos os anos aumenta", "pesa 10 % nas vendas" e considera "uma loucura".

Investir 3,5 milhões

A empresa, que desenhou em 2016 um plano de investimentos de 3 milhões de euros, mas acabou por chegar aos sete milhões, prevê aplicar, este ano, mais 3,5 milhões de euros num projeto que inclui 12 novos teares e permitirá aumentar a produção em 10%, com menos custos de mão de obra e energia.

A indústria têxtil fechou 2017 com um recorde de 5,2 mil milhões de euros nas exportações, mais 4% que um ano antes. É um cenário de crescimento, ensombrado por um problema apontado por empresários e dirigentes do sector: todos apresentam a falta de mão de obra como principal constrangimento. Para algumas empresas do Vale do Ave, a opção estratégica tem sido investir em África e e subcontratar. A J.F. Almeida, que já está na Argélia, está a disponibilizar alojamento para emigrantes.