Economia

Viseu é a primeira cidade portuguesa a ter um transporte público não tripulado a circular na rua

Viriato, transporte público elétrico e autónomo, não circula sobre carris. Os carris que se veem na imagem são do antigo funicular, que veio substituir

D.R.

Viriato chega à cidade no início do próximo ano. É silencioso, autónomo, não poluente e vai permitir uma poupança anual de €80 mil em relação à solução atual, o funicular

Tem nome de guerreiro e quer conquistar a cidade de Viseu no início do próximo ano. Viriato é pioneiro em Portugal - ou não fosse este o primeiro transporte público não tripulado no país a andar na rua. Antes dele, já existiu o SATU - Sistema Automático de Transporte Urbano (Oeiras) mas, ao contrário do transporte viseense, este veículo andava sobre carris e não circulava na rua.

Completamente elétrico e, por isso, silencioso e não poluente, vai funcionar 24h por dia e todos os dias da semana. Numa primeira fase (e porque a lei ainda não permite que ande livremente pela cidade), vai circular apenas numa rua, fazendo a ligação entre a Cava de Viriato e o centro histórico. Não anda sobre carris (os carris que aparecem na imagem são do antigo funicular que veio substituir) e tem um sensor na parte frontal que o faz parar caso esteja demasiado próximo de um obstáculo.

Integrado no sistema de mobilidade de Viseu, o transporte público de 9 metros e 24 lugares foi desenvolvido pela Tula, tecnológica portuguesa de Coimbra que irá também instalar-se na cidade. O motor, de 60 kw, é da Siemens.

O objetivo deste transporte - dois veículos que circulam em sentido inverso - é substituir o atual funicular que, "como provoca ruído, não pode circular à noite", diz o presidente da câmara de Viseu, António Almeida Henriques, durante a apresentação do veículo na Portugal Smart Cities Summit, esta quarta-feira, em Lisboa.

O Viriato, que tem autonomia para 60 km e pode andar até a 40 km/h, permitirá poupar anualmente €80 mil em relação à solução atual.

“Viseu será a primeira cidade portuguesa a dispor de um transporte coletivo de passageiros autónomo”, sublinha Almeida Henriques. “Com o Viriato, alargaremos a oferta de transportes em Viseu, diminuímos a pegada ecológica e reduzimos os custos suportados pelo Município.”

Notícia atualizada às 12h47 com mais informação