Economia

Balança comercial da China regista raro deficit em março

As exportações chinesas recuaram 2,7%, face ao mesmo mês do ano anterior, para 174,1 mil milhões de dólares (141 mil milhões de euros), depois de terem subido 24,4%, nos dois primeiros meses do ano, revelam dados das alfandegas chinesas

A balança comercial da China registou em março um raro deficit, com as exportações a cair, enquanto o superavit com os Estados Unidos se manteve quase intacto, numa altura de crescentes tensões comerciais com Washington.

As exportações chinesas recuaram 2,7%, face ao mesmo mês do ano anterior, para 174,1 mil milhões de dólares (141 mil milhões de euros), depois de terem subido 24,4%, nos dois primeiros meses do ano, revelam dados das alfandegas chinesas.

As importações subiram 14,4%, para 179,1 mil milhões de dólares (145 mil milhões de euros), depois de terem crescido 21,7%, em janeiro e fevereiro.

O excedente comercial com os EUA fixou-se em 15,4 mil milhões de dólares (12,4 mil milhões de euros), uma queda de 13%, em termos homólogos.

A China regista todos os meses excedentes comerciais de milhares de milhões de dólares com a Europa e EUA, que ajuda a compensar pelos deficits com o Japão, Coreia do Sul e países em desenvolvimento que fornecem matérias primas ao país.

Pequim enfrenta crescente pressão de Washington e Bruxelas, devido às barreiras que impõe no acesso ao seu mercado e subsídios que atribui às indústrias domésticas, ameaçando postos de trabalho além-fronteiras.

Na semana passada, os EUA anunciaram uma possível subida das taxas alfandegárias sobre uma lista de produtos chineses, que em 2017 valeram, no conjunto, 50.000 milhões de dólares (40.700 milhões de euros) nas importações norte-americanas, como retaliação pela "transferência forçada de tecnologia e propriedade intelectual norte-americana".

O Presidente norte-americano, Donald Trump, exige que Pequim adote medidas para reduzir o seu deficit comercial com os EUA, que Washington diz ter-se fixado nos 375,2 mil milhões de dólares (304 mil milhões de euros), em 2017.