Economia

Costa não vê motivos para BE e PCP estarem descontentes com redução do défice

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

“Quanto ao essencial estamos todos entendidos”, quando questionado sobre se achava que BE e PCP entendiam o discurso do Governo

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou esta sexta-feira não ver razões para o Bloco de Esquerda e o PCP estarem descontentes com a redução do défice, insistindo que os compromissos assumidos estão a ser cumpridos.

"Se estivéssemos agora a alterar alguma das medidas que acordámos no Orçamento, se estivéssemos agora a abandonar alguns dos compromissos que assumimos, aí sim, havia razões para alguém se queixar. Felizmente, não é essa a circunstância", declarou.

António Costa, que falava aos jornalistas em Barrancos, no distrito de Beja, reiterou que o seu Governo está "a cumprir tudo" com o que se comprometeu e até "a poder reforçar o investimento em 74 milhões de euros" com o que foi poupado nos juros da dívida.

"Só podemos fazer isto porque conseguimos poupar e estamos a poupar", vincou o chefe do Governo, salientando que, "sendo menor o défice, é menor a dívida e, tendo uma boa gestão orçamental, estão a cobrar [a Portugal] menos juros do que cobravam há uns anos".

"É essa trajetória que temos de continuar a fazer de forma a que todas as conquistas que conseguimos neste dois anos e meio sejam mesmo irreversíveis e não voltemos a ter problemas mais à frente", acrescentou.

Questionado pelos jornalistas sobre se achava que BE e PCP entendiam o discurso do Governo, o primeiro-ministro respondeu: "É natural que, sendo partidos diferentes, tenham propostas e ideias diferentes, mas quanto ao essencial estamos todos entendidos".

António Costa referiu que os compromissos com os parceiros parlamentares "não são ter este ou aquele défice" e que a obsessão do Governo "não é o défice", mas sim "melhor económica e mais emprego".

"O défice não é mais baixo por termos desistido de qualquer das medidas, o défice não é mais baixo por termos aumentado algum imposto que não estava previsto aumentar", argumentou, indicando que "é mais baixo graças ao sucesso das políticas" do Governo.

O chefe do Governo apontou ainda que o trabalho do Governo tem de "prosseguir de uma forma equilibrada" para que todos os compromissos que foram assumidos com os portugueses e com BE e PCP "venham a ser cumpridos".

Acompanhado pelo presidente da Câmara de Barrancos, João Serranito Nunes, e por outros autarcas eleitos pelo PS, o primeiro-ministro visitou a Expo Barrancos, que decorre, até domingo, no Parque de Feiras e Exposições da vila alentejana.

António Costa parou na maior parte dos expositores do certame para "dois dedos de conversa" com empresários e comerciantes e provar os produtos locais, de entre os quais o emblemático presunto.

No Programa de Estabilidade apresentado na sexta-feira, o Governo reviu em baixa a meta do défice deste ano para 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB), face aos 1,1% inscritos no Orçamento do Estado para 2018.

O executivo reviu em alta a estimativa de crescimento económico para este ano, de 2,2% para 2,3%, e anunciou uma previsão de taxa de desemprego de 7,6%, de taxa de inflação de 1,4% e uma descida da dívida pública para 122,2% do PIB.

Em 2017, a economia portuguesa cresceu 2,7% e o emprego avançou 3,3%. O défice orçamental ficou nos 0,9% do PIB, sem a contabilização da recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD), operação que fez subir o indicador para 3%.