Economia

Chineses dizem que OPA à EDP é “passo natural”. “Objetivo é deter pelo menos 50% da empresa”

Luis Barra

Chineses oferecem 3,26 euros por cada ação da eléctrica portuguesa

Helena Bento

Helena Bento

Jornalista

Em declarações após a China Three Gorges (CTG) ter anunciado o lançamento de uma oferta pública de aquisição (OPA) sobre o restante capital da EDP, Yang Ya, representante da empresa chinesa, afirmou que a EDP vai manter a sua autonomia. “Lançámos a oferta com o objetivo de passara controlar 100% da empresa, mas o nosso objetivo é deter pelo menos 50% da EDP. A empresa manter-se-á cotada na bolsa de Lisboa”.

Num vídeo divulgado esta sexta-feira, Yang Ya descreve a aquisição como um “passo natural” e “razoável”, tendo em conta a “parceria de seis anos, a visão mútua e a proximidade da CTG com o negócio e gestão” da elétrica portuguesa. A ideia é “reforçar a capacidade e competitividade da EDP nos mercados internacionais, sobretudo nos países de língua portuguesa”, esclareceu ainda o representante.

A China Three Gorges, que controla, em conjunto com outro acionista chinês, quase 30% EDP, anunciou esta sexta-feira o lançamento de uma oferta pública de aquisição sobre o restante capital da EDP.
A CTG oferece 3,26 euros por cada ação da eléctrica portuguesa, avaliando-a em cerca de 11.920 milhões de euros. Os acionistas chineses também se propõem pagar 7,33 euros por cada ação que a EDP ainda não controla na EDP Renováveis.