Economia

Sonangol desafia operadoras a promoverem aumento da produção petrolífera em Angola

A Sonangol quer encontrar soluções para inverter a tendência de declínio da produção petrolífera em Angola

A Sonangol, petrolífera estatal angolana, desafiou as empresas operadoras do setor a apresentarem propostas concretas que auxiliem as ações em curso para a produção de petróleo em Angola conhecer outros níveis.

Em comunicado, a que a agência Lusa teve acesso esta quarta-feira, a Sonangol informou que o Conselho de Administração se reuniu na terça-feira com os representantes das operadoras petrolíferas em Angola, com o objetivo de encontrar soluções para inverter a tendência de declínio da produção petrolífera em Angola.

O encontro, presidido pelo Presidente do Conselho de Administração da Sonangol, Carlos Saturnino, começou por analisar a produção de petróleo no passado e no presente, tendo as empresas sido "incentivadas a apresentar projetos e ideias que possam concorrer para a quebra da tendência instalada e o consequente aumento da produção".

De acordo com o documento, os participantes no encontro analisaram ainda os principais fatores que afetam a produção hoje, com o objetivo de chamar a atenção das operadoras para, entre outros aspetos, as atividades de manutenção das infraestruturas que têm criado algumas perdas substanciais.

"A reunião abordou ainda as futuras oportunidades e foi lançado um desafio às empresas operadoras no sentido de já no próximo encontro, previsto para o mês de julho, apresentarem propostas concretas que a curto prazo auxiliem as ações já em curso para que a produção petrolífera no país, conheça outros níveis", refere a nota.

Entretanto, Carlos Saturnino disse à imprensa - à margem da assinatura de um acordo de cooperação de 220 milhões de dólares com a petrolífera italiana ENI, para a manutenção geral da Refinaria de Luanda e aumento da produção de gasolina - que as reservas petrolíferas da Sonangol vão aumentar.

"Neste momento, as reservas desenvolvidas, estamos a falar de um pouco mais de oito biliões (mil milhões) de barris, mas vamos aumentar. Ainda esta manhã tivemos uma reunião e estamos a caminho de mais uma nova descoberta no bloco 15/06 e as perspetivas são extremamente boas em termos de relançamento da exploração em Angola e dos resultados dessa exploração petrolífera", referiu.

Carlos Saturnino sublinhou que novas descobertas vão ser anunciadas dentro de pouco tempo, "coisa que já não acontecia desde 2014 pelo menos" no bloco 15.