Economia

Só um terço do valor das casas compradas foi paga com crédito

Tiago Miranda

O Banco de Portugal conclui que a redução do peso do financiamento bancário nas vendas de habitação face aos níveis pré-crise é transversal às várias regiões do país mas “a sua magnitude é maior na Área Metropolitana de Lisboa e no Algarve". Particulares apenas financiam cerca de um terço das compras com empréstimos

O mercado imobiliário está em alta, com recordes sucessivos nos preços das habitações, sobretudo nas no segmento topo de gama e em especial nas cidades de Lisboa, um pouco menos o Porto e também na Linha do Estoril/Cascais e Algarve.

Acontece, porém, que o peso do financiamento bancário por parte dos particulares nas transações de alojamentos familiares situa-se atualmente em níveis bastante mais reduzidos do que os registados em 2010, apesar de ter aumentado face aos mínimos de 2015. Atualmente, o crédito bancário apenas paga cerca de um terço do valor das casas compradas. Em 2010, tinha o dobro do peso.

Os dados foram divulgados esta quinta-feira pelo Banco de Portugal, num relatório onde se conclui que “esta situação reflete um maior dinamismo do número de transações do que do número de empréstimos”.

Segundo o mesmo documento, ao longo do tempo, os valores das vendas e dos empréstimos apresentam tendências semelhantes, observando-se uma redução entre meados de 2010 e meados de 2013 e uma recuperação
no período posterior.

No conjunto do país, os novos empréstimos registaram uma contração mais acentuada do que as vendas no primeiro período (variação de cerca de -75% e de -55%, respetivamente, entre o início de 2010 e o início de 2013), e uma recuperação idêntica no período seguinte (variação de cerca de 195% e 200%, respetivamente). Como consequência desta evolução, o montante total dos novos empréstimos situava-se em junho de 2018 cerca de 30% abaixo do valor de junho de 2010, enquanto o valor das vendas se situava cerca de 40% acima.

Em Lisboa e no Algarve é onde se recorre menos ao crédito à habitação

O mesmo documento refere ainda que a redução do peso do financiamento bancário nas vendas é transversal às várias regiões do país mas “a sua magnitude é maior na Área Metropolitana de Lisboa e no Algarve, regiões onde o investimento estrangeiro ou a compra de imóveis por parte de empresas poderão estar a ter um maior peso nas transações”.

O técnicos do Banco de Portugal garantem que a redução dos rácios entre os novos empréstimos e as vendas pode refletir dois tipos de fatores. Por um lado, pode estar associada a “um aumento da percentagem do número de vendas que são efetuadas sem recurso a crédito bancário por parte dos particulares. Por outro lado, pode refletir um aumento do valor médio das vendas relativamente ao valor médio dos empréstimos”.

Ainda segundo os mesmos responsáveis, este último caso poderá ocorrer se os imóveis vendidos com e sem recurso a crédito tiverem evoluções diferentes de preço (nomeadamente, por terem caraterísticas diferentes) ou se existir uma redução da percentagem do valor de aquisição que é financiada com crédito bancário.