Internacional

Trump e a cimeira da NATO. “O jantar foi bem pior que o discurso”

STEPHANIE LECOCQ

Funcionários americanos a par de um jantar privado dos líderes da NATO durante a visita de Donald Trump a Bruxelas, em maio, dizem que o Presidente dos EUA ameaçou suspender o financiamento da aliança até que os europeus paguem o que devem

Há três semanas, na cimeira da NATO em Bruxelas, Donald Trump encheu manchetes com um discurso em que condenou 24 dos 29 Estados-membros da NATO por não gastarem mais dinheiro na Defesa comum, exigindo que cada um cumpra o requisito de alocar 2% do seu PIB à aliança. O que não se soube até agora é que, horas depois dessas declarações públicas, o Presidente norte-americano foi ainda mais longe nas condenações e exigências aos aliados, dizendo aos restantes líderes num jantar que 2% não é suficiente e que cada país devia desembolsar 3% do PIB para o orçamento da aliança.

À revista “Foreign Policy”, “várias fontes” informadas sobre o que se passou nesse jantar dizem que o encontro privado na noite de 25 de maio “foi muito pior que o discurso” e que os líderes da aliança ficaram “chocados” com o que Trump disse. Não só sugeriu aumentar em 1% do PIB o valor das contribuições de cada Estado-membro como ameaçou fechar a torneira americana se os europeus não repuserem os pagamentos em atraso rapidamente. “Foi um total desastre, foi terrível”, diz uma das fontes.

Contactada pela revista, a sede da NATO em Bruxelas escusou-se a comentar as informações, dizendo que “este foi um jantar confidencial dos líderes dos aliados e nós respeitamos a confiança deles”. No artigo publicado na sexta-feira, uma das fontes consultadas por Robbie Gramer diz que Trump tinha duas versões de discursos para o jantar em questão, uma mais tradicional e uma que foi preparada por Steve Bannon e Stephen Miller, os dois controversos conselheiros do Presidente que têm uma visão mais cética da aliança. “Ele ignorou os dois e improvisou.”

A peça foi publicada na “Foreign Policy” no mesmo dia em que Trump finalmente aceitou dar o seu aval ao artigo 5.º, a chamada cláusula de defesa coletiva que é um pilar fundamental da NATO e que dita o compromisso de todos em defenderem um dos Estados-membros se este estiver sob ataque. “Comprometo-me em absoluto com o artigo 5.º”, disse o Presidente na sexta-feira. Durante o encontro em Bruxelas no final de maio, Trump tinha-se recusado a prometer honrar essa cláusula, que só foi invocada uma vez na História, no rescaldo dos ataques de 11 de setembro de 2001 contra as Torres Gémeas e o Pentágono.

Há uma semana, o “Politico” tinha avançado que Trump omitiu deliberadamente uma linha do seu discurso público na cimeira em Bruxelas onde se comprometia a respeitar e a cumprir a cláusula de defesa comum, em mais um passo “improvisado” que deixou a sua equipa de segurança nacional desorientada.

À FP, Jim Townsend, ex-enviado do Pentágono para a NATO na administração de Barack Obama, disse que a visita de Trump danificou muito a posição de Washington junto dos aliados. “Ele não tem qualquer autocontrolo. Disse o que tinha a dizer — de uma forma bem rude, na minha opinião — portanto por que não aproveitar o jantar à porta fechada para falar de qualquer coisa: Rússia, estratégia, Afeganistão… Não o fez.” Duas das fontes ouvidas pela revista garantem que o tópico Rússia não foi abordado uma única vez durante esse jantar.