Internacional

Presidente da China fala com Trump para tentar descer a tensão na península coreana

China mostra que o diálogo ainda é possível

Reuters

Xi Jinping apelou à contenção das partes envolvidas na escalada retórica sublinhando o interesse da China na manutenção da paz e estabilidade na região

Cristina Peres

Cristina Peres

Jornalista de Internacional

“Neste momento, as partes relevantes devem conter-se e evitar palavras ou atos que possam exacerbar a tensão na península coreana”, estas foram as palavras de Xi Jinping relatadas pela agência chinesa Xinhua e outros media internacionais. O Presidente chinês falou este sábado com Donald Trump apelando à calma na gestão da crise da Coreia do Norte.

Xi Jinping foi claro ao dizer ao seu homólogo norte-americano que todos os lados devem evitar a retórica ou a ação que possa aumentar a tensão na península coreana. No entanto, ofereceu-se para colaborar com os EUA para resolver o assunto de forma apropriada uma vez que ambos os países têm “interesses comuns em conseguir reduzir o nuclear na península coreana e na manutenção da paz e estabilidade na zona”, escreve a Xinhua.

O chefe de Estado norte-americano obrigou a China a pressionar a Coreia do Norte a pôr fim ao seu programa de armas nucleares que está à beira de conseguir atingir território dos Estados Unidos. Depois de ter declarado na terça-feira que os EUA responderiam com “fogo e fúria nunca vista” às ameaças nucleares de Pyongyang, na sexta-feira Trump foi mais longe, transformando a crise numa batalha pessoal entre si e Kim Jong-un. Trump avisou o líder norte-coreano de que “se arrependeria verdadeiramente” caso viesse a agredir território ou aliados dos EUA. O aviso foi pronunciado horas depois do tweet matinal em que Trump afirmava que as opções militares americanas estavam “prontas a disparar” caso Pyongyang agisse.

Em resposta, a liderança norte-coreana avisou que lançaria quatro mísseis às águas do Pacífico em torno do território norte-americano de Guam, caso os EUA insistissem nas manobras com bombardeiros de longo alcance estacionados na base militar naquela ilha.

A reação internacional a este tweet não se fez esperar: “Uma escalada da retórica é a resposta errada”, declarou a chanceler alemã, Angela Merkel. Trump não esperou para responder que Merkel “se estaria a referir à Alemanha”, “ela que fale pela Alemanha, não se está certamente a referir aos EUA, garanto”.

Segundo a Associated Press, e apesar da linguagem usada pelo Presidente, não houve deslocações de tropas americanas na região nem alteração ao estado de alerta das forças americanas. E soube-se na sexta-feira que a administração Trump tinha reaberto um canal de comunicação nas Nações Unidas entre os diplomatas americanos e norte-coreanos.