Internacional

Governo confirma morte de paramédico português em queda de avião em Angola

Avião estava ao serviço de uma empresa privada e desapareceu na tarde de quinta-feira. Desconhecem-se os motivos da queda do aparelho

O governo português confirmou a morte de um cidadão português em Angola, um paramédico bombeiro de 39 anos, na sequência da queda de um avião na tarde de quinta-feira, quando fazia o percurso da Lunda Norte para Luanda.

Fonte oficial do gabinete do Secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, declarou à Lusa que o avião - no qual seguiam sete pessoas, entre tripulantes e passageiros - "caiu cerca de 20 minutos depois de ter descolado" do Dundo, na província da Lunda Norte, a caminho de Luanda. Desconhecem-se, de momento, os motivos da queda do aparelho.

"O português falecido era um paramédico bombeiro de 39 anos", disse a mesma fonte, referindo também que o homem não estava ao serviço do Estado português.

A aeronave tinha partido do Dundo, no extremo leste de Angola, cerca das 16h00, com destino a Luanda, quando foi perdido o contacto, tinha declarado anteriormente à Lusa uma fonte da proteção civil angolana.

A Força Aérea Angolana (FAN) disponibilizou dois helicópteros para procurar os destroços do avião que estava ao serviço de uma empresa privada.

De acordo com informação prestada pela FAN, os dois meios aéreos estão envolvidos nas operações desde o início da manhã, havendo registo da participação de uma avaria na aeronave desaparecida, antes de perder o contacto.

O Ministério dos Transportes de Angola convocou para esta tarde uma conferência de imprensa para dar mais explicações sobre este incidente.