Internacional

Iranianos saem à rua em apoio ao Governo e ao supremo líder Ali Khamenei

Milhares de pessoas exibem o retrato do supremo líder Ali Khamenei

HAMED MALEKPOUR / EPA

Manifestações oficiais pró-governamentais em Teerão e nas principais cidades do país tentam abafar os protestos pelo aumento do preço dos bens essenciais e desemprego

Cristina Peres

Cristina Peres

Jornalista de Internacional

Dezenas de milhares de pessoas saíram hoje às ruas das cidades iranianas para participarem em manifestações de apoio ao Governo organizadas pelas autoridades. Estas manifestações foram convocadas em contraponto aos protestos que ao longo dos últimos dias reclamaram contra as condições económicas que se vivem no país.

Estas grandes manifestações, que foram insistementemente mostradas pela televisão estatal iraniana ao longo deste sábado, foram organizadas há semanas e acontecem todos os anos. São uma espécie de comemoração que marca o fim dos protestos que se seguiram às eleições de 2009, quando o Movimento Verde ganhou relevo após a reeleição de Ahmadinejad, explica a Al-Jazeera.

Porém, este ano elas ganham um novo significado ao promoverem um aberto apoio ao Governo de Teerão depois de vários atos de protesto terem surgido em várias cidade do país. Os protestos quiseram denunciar o aumento dos preços dos alimentos básicos, o aumento do desemprego e contra o arrastamento da economia.

Ao contrário do aparato mediático das manifestações oficiais em que eram empunhadas bandeiras do Irão e imagens do líder supremo, Ayatollah Ali Khamenei, foram publicadas nas redes sociais as imagens dos focos de protesto que aconteceram este sábado em Teerão, Shahr-e Khord e Kermanshah, apesar de terrem sido declarados como “reuniões ilegais” pelo ministro do Interior, Abdolrahman Rahmani Fazli. Há notícias de vários presos.

Apesar de a economia iraniana ter registado melhorias após a assinatura do acordo nuclear em 2015, essas melhorias não atingem todos os iranianos, escreve “The Guardian”. O desemprego continua a afetar muitos iranianos e a inflação regressou aos 10%. Aparentemente, foi um recente aumento de 40% do preço dos ovos e das aves de capoeira que desencadeou os protestos.