Internacional

Investigadores acreditam que ex-espião russo terá sido exposto a substância química

Rua onde vive Sergei Skripal, em Salisbury, sul de Inglaterra

TOBY MELVILLE/REUTERS

Não foi dada qualquer informação ou pista sobre a substância usada, mas suspeita-se que tenha sido gás sarin ou o agente VX. Sergei Skripal e a filha, que também foi exposta à mesma substância e encontrada inconsciente no domingo perto de um centro comercial na cidade de Salisbury, no sul da Inglaterra, encontram-se em estado muito grave

Helena Bento

Helena Bento

Jornalista

Sergei Skripal, o ex-espião russo que foi internado no domingo depois de ter sido encontrado inconsciente perto de um centro comercial na cidade de Salisbury, no sul da Inglaterra, terá sido exposto a uma substância química, acreditam os investigadores que estão responsáveis por analisar o caso, diz o britânico “The Guardian”.

Embora a polícia britânica tenha revelado inicialmente algumas reservas em assumir que se tratou de um crime, a expectativa agora é que de facto se tratou de um ato deliberado. Não foi dada qualquer informação ou pista sobre a substância usada, mas suspeita-se que tenha sido gás sarin ou o agente VX (ao qual terá sido igualmente exposto, e de forma fatal, Kim Jong-nam, meio-irmão do líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, no aeroporto internacional de Kuala Lumpur, na Malásia, segundo reveleram esta quarta-feira as autoridades norte-americanas).

Sergei Skripal, de 66 anos, assim como a filha, Yulia Skripal (33 anos), que também foi exposta à mesma substância, encontra-se em estado muito grave. Ao acreditar que foi usada uma substância química, os investigadores estão, ainda que indiretamente, a responsabilizar um Estado. O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johnson, prometeu uma resposta “robusta e adequada” caso se confirme o envolvimento de Moscovo, mas Moscovo já negou qualquer responsabilidade.

O caso tem sido comparado ao de Alexander Litvinenko, o antigo agente do KGB que morreu em 2006 em Londres, depois de ter bebido um chá envenenado. Uma investigação interna viria a concluir que foi Vladimir Putin, presidente russo, quem ordenou o homicídio.

Sergei Skripal, antigo coronel dos serviços secretos militares russos, foi acusado em 2006, na Rússia, de atos de espionagem, por ter passado informação confidencial ao Governo britânico. Foi condenado a 13 anos de prisão, tendo sido perdoado em 2010, no contexto de uma troca de espiões entre os EUA e a Rússia.

No domingo, as autoridades britânicas encerraram várias áreas do centro comercial e do hospital onde deram entrada as vítimas para proceder a uma descontaminação. Já esta quarta-feira foram vistos vários carros da polícia e ambulâncias no centro da cidade britânica. Uma mulher foi transportada para o hospital, embora não se saiba se há alguma ligação com o que sucedeu no fim de semana.

  • Sergei Skripal, antigo coronel dos serviços secretos russos, foi condenado em 2006 a 13 anos de prisão por atos de espionagem, por ter passado informação confidencial ao Governo britânico. Foi perdoado anos depois, no contexto de uma troca de espiões entre os EUA e a Rússia. No domingo, terá sido exposto a uma substância tóxica ainda não identificada, numa cidade no sul de Inglaterra, e encontra-se internado em estado muito grave