Internacional

“Isto é uma guerra psicológica. Não vamos permitir que Trump vença”: Irão reage aos EUA

Mikhail Svetlov/Getty Images

Trump decide sair do “podre” acordo nuclear com o Irão e anuncia sanções “mais poderosas” de sempre

Helena Bento

Helena Bento

Jornalista

Se os outros países fizerem frente a Trump o acordo “poderá sobreviver”, afirmou o Presidente iraniano, Hassan Rouhani, acrescentando contudo ter dado indicações à agência de energia atómica do país (AEOI) para retomar o enriquecimento de urânio caso o acordo colapse. “Isto é uma guerra psicológica. Não vamos permitir que Trump vença”, afirmou à televisão estatal.

Para Hassan Rouhani, a decisão de abandonar o acordo demonstra que os EUA “desprezam os compromissos internacionais” e a prova disso é também a saída do acordo de Paris, anunciada em julho de 2017. “O único regime que Trump apoia é o sionista [em Israel], que matou os nossos cientistas nucleares.”

À semelhança do que afirmaram Theresa May, Angela Merkel e Emmanuel Macron num comunicado conjunto emitido ao final desta terça-feira de tarde, o Presidente iraniano sublinhou que a Agência Internacional de Energia Atómica, nas suas visitas regulares ao país, atestou que o Irão tem cumprido as suas obrigações no que diz respeito à produção e armazenamento de armas nucleares.

O Presidente norte-americano anunciou esta terça-feira que vai abandonar o acordo nuclear assinado em 2015 mas para Rouhani isso poderá não ser assim tão determinante. “Este acordo não foi assinado apenas pelos EUA e Irão. É um acordo multilateral que foi aprovado pelo Conselho de Segurança da ONU. Vamos a ver como é que os outros países reagem”, afirmou. Alemanha, França e Reino Unido já mostraram interesse em manter o acordo. Resta saber o que pensam a Rússia e a China.