Internacional

Orgulho Gay no Líbano anulado por pressão das autoridades

paul mansfield photography

A edição de 2018, que deveria seguir um esquema semelhante ao de 2017, iniciou-se na sexta-feira e terminaria no próximo domingo, mas o coordenador, Hadi Damien, foi detido na noite de segunda-feira e libertado na terça-feira depois de assinar um documento em que se comprometia a anular todos os atos

A segunda edição do Orgulho Gay no Líbano foi anulada hoje devido a pressões das autoridades, que detiveram durante algumas horas o coordenador do evento, anunciaram os organizadores da iniciativa inédita no mundo árabe.

Num país onde a sociedade continua globalmente conservadora, a primeira edição realizou-se em 2017 com discrição, incluindo conferências e debates pró-LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgéneros), mas não uma “marcha do orgulho”.

A edição de 2018, que deveria seguir um esquema semelhante, iniciou-se na sexta-feira e terminaria no próximo domingo, mas o coordenador, Hadi Damien, foi detido na noite de segunda-feira e libertado na terça-feira depois de assinar um documento em que se comprometia a anular todos os atos, segundo um comunicado da organização.

Recusar a assinatura daquele compromisso poderia implicar um processo judicial por “incitação ao deboche e ataques à moral pública”, adianta.

Embora o Líbano seja considerado mais tolerante que outros países árabes em relação à homossexualidade, a polícia realiza regularmente buscas em bares e outros locais frequentados pela comunidade. O artigo 535 do Código Penal sanciona as relações sexuais consideradas “contra natura”.