Internacional

China diz-se “chocada” e ameaça retaliar contra novas taxas dos EUA. Só não se sabe como poderá fazê-lo

Feng Li/Getty Images

Trump divulgou uma lista de produtos chineses sobre os quais pretende aplicar taxas de 10% num total de 200 mil milhões de dólares. O número excede em muito o valor total das mercadorias que a China importa dos EUA, o que significa que Pequim talvez precise de pensar em maneiras criativas de responder às ameaças. O ministério chinês dos Negócios Estrangeiros classificou-as como “bullying típico”, enquanto o ministério do Comércio anunciou que apresentaria queixa à Organização Mundial do Comércio

A China acusa os EUA de intimidação e avisou que iria retaliar depois de o Presidente dos EUA ter elevado a parada na disputa comercial entre os dois países. Donald Trump ameaçou esta terça-feira aplicar taxas de 10% sobre 200 mil milhões de dólares (cerca de 170 mil milhões de euros) em produtos chineses.

O ministério chinês do Comércio disse esta quarta-feira estar “chocado” com as ameaças “completamente inaceitáveis” de Trump e anunciou que apresentaria queixa à Organização Mundial do Comércio. A tutela não esclareceu, no entanto, como pretendia retaliar. Já o ministério dos Negócios Estrangeiros classificou as ameaças como “bullying típico”, exortando o Governo a contra-atacar para proteger os interesses chineses.

Os 200 mil milhões de dólares excedem em muito o valor total das mercadorias que a China importa dos Estados Unidos, o que, segundo a agência Reuters, significa que Pequim talvez precise de pensar em maneiras criativas de responder às ameaças.

Na terça-feira, os EUA divulgaram uma lista de produtos que a administração Trump quer ver sujeitos às novas taxas: centenas de produtos alimentares, tabaco, produtos químicos, carvão, aço, alumínio, pneus, móveis, produtos de madeira, bolsas, malas, comida para cães e gatos, tapetes, portas, bicicletas, sacos de golfe, papel higiénico, produtos de beleza, entre outros. A lista é extensa e mereceu a crítica imediata de alguns grupos industriais norte-americanos.

Na semana passada, Washington impôs taxas de 25% sobre 34 mil milhões de dólares (cerca de 29 mil milhões de euros) em importações chinesas. Pequim respondeu imediatamente com taxas equivalentes sobre a mesma quantidade de exportações dos EUA para a China.