Internacional

Menina de 11 anos apanhada a roubar é sujeita a uma descarga de Taser

A menina, que se encontrava com colegas, terá sido desafiada a meter uns items na mochila e caminhar até à saída da loja em Cincinatti, EUA. Foi detetada por um segurança, que a mandou parar, mas ao não acatar a ordem foi atingida por descarga da arma nas costas

Luís M. Faria

Jornalista

Uma menina de 11 anos recebeu uma descarga de Taser administrada pelo segurança de uma mercearia onde ela estaria a roubar comida. O caso, que aconteceu no início da semana, está a indignar a cidade de Cincinatti. O Taser é um instrumento que envia uma corrente elétrica, imobilizando o alvo através do controlo do seu sistema neuromuscular. É um meio violento e perigoso, às vezes fatal, que jamais deve ser usado em ninguém sem um motivo bastante forte. E muito menos numa criança.

A menina, que se encontrava com colegas, terá sido desafiada a meter uns items na mochila e caminhar até à saída da loja. Foi detetada por um segurança, por acaso um agente policial fora de serviço, que a mandou parar. Continuou em frente, e foi então que ele lhe aplicou a descarga pelas costas. "Atingiu-me as costas muito depressa e senti que estava a tremer e não podia respirar", contou a rapariga, mais tarde, a um canal de televisão.

A criança foi levada a um hospital infantil e entregue à mãe, que se manifestou indignada e exigiu a punição do agente em causa. "Não digo que o ela estava a fazer fosse bem feito, mas o que ele fez foi completamente errado. Quem concebeu estas regras precisa de parar e pensar", exigiu a mãe.

Vários políticos concordaram. "É difícil compreender por que é que uma criança de 11 anos seria sujeita ao Taser. Espero respostas em 24 horas", disse o vice-presidente da Câmara, Christopher Smitherman, que também é presidente do comité de segurança pública. Para já, Smitherman ordenou um exame de todos os episódios de uso da pistola sobre crianças, bem como uma "completa revisão de todas as políticas do Taser".

Também o chefe da polícia local, Eliot Isaac, iniciou uma investigação. "Estamos extremamente preocupados por um dos nossos agentes ter usado força sobre uma criança desta idade", Também ele anunciou uma revisão das políticas sobre o uso de força contra jovens.

O manual da polícia autoriza o uso do Taser para autodefesa ou "para imobilizar temporariamente um suspeito que resiste ativamente à prisão". Uma criança que simplesmente continua a andar em direção à saída de uma loja não parece cumprir esses requisitos. "Um indivíduo que simplesmente está a fugir de um agente, sem razão adicional, não justifica o uso do Taser", acrescenta o manual.

As razões adicionais podem incluir perigo para outras pessoas se o fugitivo não for imediatamente preso. Não parece que fosse o caso com a menina. Entretanto, a polícia confirmou que as acusações originais - de roubo e resistência à autoridade - já foram retiradas.

Quanto ao policia envolvido, foi suspenso do serviço ativo enquanto a sua conduta é analisada. Ainda não se sabe se o aparelho que usou foi o da polícia ou outro fornecido por quem o emprega como segurança.