Internacional

Marine Le Pen distancia-se de Bolsonaro e critica propostas “altamente desagradáveis”

JACQUES DEMARTHON/AFP/Getty Images

A líder da extrema direita francesa diz que a votação da primeira volta nas eleições brasileiras foi um grito pela “insegurança e pela “pobreza”. Marine Le Pen admite, contudo, que o discurso de Bolsonaro é controverso e difícil de transpor para a cultura gaulesa

A líder da União Nacional (ex-Frente Nacional) afirmou esta quinta-feira que as propostas de Jair Bolsonaro, candidato do Partido Social Liberal (PSL) à presidência do Brasil e vencedor da primeira volta, são “altamente desagradáveis”.

Em entrevista à estação France 2, Marine Le Pen reconheceu que o discurso de Bolsonaro é controverso e “difícil de transpor para a cultura francesa”. Disse também que não percebeu ainda “o que faz dele um candidato de extrema direita, favorito para a Presidência da República do Brasil”.

“Ele fez claramente observações que são altamente desagradáveis, que talvez não se consigam transpor para o nosso país, uma cultura diferente”, declarou a política francesa.

Le Pen sustentou que não é possível avaliar as pessoas que têm histórias e culturas diferentes à luz “da nossa história e cultura.” No entanto, olhando para os resultados da primeira volta das eleições brasileiras, a líder da União Nacional considerou que representam acima de tudo um grito pela “insegurança e pela “pobreza”.

“É uma reação perante uma insegurança terrível que se vive no Brasil e perante a pobreza que afeta dezenas de milhões de pessoas no país. A criminalidade que se tornou endémica constitui um atentado à liberdade dos brasileiros e face à incapacidade do governo anterior, os eleitores lançaram um alerta de que a questão da segurança é para eles uma prioridade”, acrescentou Le Pen.

As duas mais recentes sondagens no Brasil dão vitória a Jair Bolsonaro na segunda volta das eleições, que decorrem no próximo dia 28 de outubro. O candidato da extrema direita conta com 58% das intenções de voto contra 42% para Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores, num inquérito da Datafolha, enquanto outra sondagem da Veja aponta 48% das intenções de voto para Bolsonaro e 41% para Haddad.

No domingo, o candidato da extrema direita conquistou 46% dos votos na primeira volta das eleições,