Internacional

Multimilionário africano raptado em hotel na Tanzânia. Polícia fala em “rapto aleatório”

KHALFAN SAID HASSAN/GETTY IMAGES

Mohammed Dewji, de 43 anos, foi considerado pela revista “Forbes” o multimilionário mais jovem de África e isso talvez ajude a explicar o crime, mas a polícia mantém a tese de “rapto aleatório”

Esperaram que ele saísse do ginásio do hotel onde se encontrava hospedado, em Dar es Salaam, capital da Tanzânia, e depois raptaram-no. Eis, em resumo, o que aconteceu ao multimilionário africano Mohammed Dewji, segundo confirmou a polícia à CNN.

Mohammed Dewji, de 43 anos, foi considerado pela revista “Forbes” o multimilionário mais jovem de África e isso talvez ajude a explicar o crime, mas a polícia mantém a tese de “rapto aleatório”. A sua fortuna vem do negócio familiar que herdou do pai, o grupo METL, que começou como uma pequena empresa, na década de 1970, e transformou-se ao longo dos anos num dos maiores conglomerados industriais do leste de África. Está presente em seis países africanos e em áreas de negócio tão vastas quanto a produção de têxteis, alimentos e bebidas, e o fornecimento de serviços financeiros, transporte e logística. Em 2024, Mohammed Dewji, também conhecido por Mo, lançou uma bebida para competir com a Coca-Cola a que deu o nome de “Mo Cola”.

O rapto deu-se na manhã desta quinta-feira e a polícia acredita que tenha sido cometido por cidadãos estrangeiros com a ajuda de funcionários do hotel, dada a facilidade com que os suspeitos entraram no edifício, disse à CNN o comissário da polícia regional, Lazaro Mambosaso. Antes de obrigarem Mohammed Dewji a entrar no seu carro, os raptores terão disparado alguns tiros para o ar. O comissário desmentiu ainda as notícias que davam conta de que o jovem multimilionário teria sido já encontrado.

Antes de dedicar-se aos negócios, Mohammed Dewji foi deputado e serviu dois mandatos no Parlamento da Tanzânia, de 2005 a 2015. Um ano depois, juntou-se à campanha “The Giving Pledge”, que encoraja milionários a contribuir para causas sociais, e comprometeu-se a doar pelo menos metade da sua fortuna para esse efeito.