• David Bowie é toda a gente

    Diário

    Alexandra Carita

    Depois de três anos intensos de trabalho nos arquivos pessoais do músico britânico, o museu britânico Victoria & Albert Museum mostrou ao mundo no início de 2013 David Bowie Is. O Expresso esteve então na inauguração da exposição, para ver a mais pormenorizada descrição do ícone pop e conhecer as suas motivações mais pessoais. No dia em que Bowie faria 72 anos, repescamos para estes Arquivos Expresso a reportagem publicada na Revista de 29 de março de 2013

  • Nobel. Em 1998 Paul Romer já era um guru da economia e o Expresso entrevistou-o

    Economia

    Jorge Nascimento Rodrigues

    Há pouco mais de 20 anos, em Maio de 1998, Paul Romer, o economista que esta segunda-feira dividiu o Nobel com William D. Nordhaus já era candidato à distinção da academia sueca. Na altura, o Expresso entrevistou-o na Universidade de Stanford e, apesar de estar paredes meias com Silicon Valley, alertava para os riscos de um entusiasmo excessivo em relação à nova economia. Veja aqui a entrevista feita em 1998 pelo jornalista Jorge Nascimento Rodrigues

  • A vida que a chuva levou

    Diário

    Joana Pereira Bastos (texto) Eduardo Gageiro (fotos)

    Na noite de 25 para 26 de novembro de 1967 mais de 500 pessoas morreram numa enxurrada que arrasou as zonas mais pobres da região de Lisboa e Vale do Tejo. Foi o maior desastre natural em Portugal desde o terramoto de 1755. A ditadura de Salazar quis silenciar a tragédia, que marcou o despertar político de toda uma geração (artigo publicado originalmente na revista E de 11 de novembro de 2017)

  • A floresta dos malditos

    Internacional

    Rui de Carvalho (texto) e Rui Ochôa (fotos), enviados a St. Laurent du Maroni)

    Na semana em que chega às salas de cinema portuguesas a nova versão de “Papillon”, um filme que, tal como o original de 1973, adapta os livros “Papillon” e “Banco”, de Henri Charrière, recuperamos uma reportagem publicada no Expresso de 16 de outubro de 1993. Na Guiana, uma visita à prisão mais ignóbil que o mundo alguma vez conheceu

  • A floresta dos malditos

    Diário

    Rui de Carvalho (texto) e Rui Ochôa (fotos), enviados a St. Laurent du Maroni)

    No dia em que chega às sala de cinema portuguesas a nova versão de “Papillon”, um filme que, tal como o original de 1973, adapta os livros “Papillon” e “Banco”, de Henri Charrière, recuperamos uma reportagem publicada no Expresso de 16 de outubro de 1993. Na Guiana, uma visita à prisão mais ignóbil que o mundo alguma vez conheceu

  • A Dona Disto Tudo

    Diário

    Ricardo Marques (texto) Inês Franco (maquilhagem e cabelos)

    Na semana em que foi anunciada a mudança de Cristina Ferreira da TVI para a SIC, recuperamos nos “Arquivos Expresso” a reportagem e a produção de moda que Ricardo Marques fez com a apresentadora de televisão e foi que publicada originalmente na Revista E

  • A minha vida é um cruzeiro

    Diário

    Katya Delimbeuf

    Há pessoas que fazem do oceano a segunda casa, quem seja “viciado em cruzeirite” e já tenha feito mais cruzeiros do que aqueles de que se consegue lembrar. Na revista de 8 de agosto de 2009 publicámos um artigo sobre duas delas, que agora reproduzimos nos Arquivos Expresso

  • As saudades que eu já tinha...

    Diário

    Bernardo Mendonça e Tiago Miranda

    Agosto é o mês em que mais pessoas das mais variadas profissões, idades e paragens voltam à sua terra natal para participar na grande festa anual. Neste Arquivo Expresso reproduzimos a reportagem publicada na revista de 22 de agosto de 2009 numa série de aldeias da chamada Beira Serra, considerada o ”coração de Portugal”, onde a tradição ainda é o que era

  • Salazar. O doente do quarto nº 68

    Sociedade

    José Pedro Castanheira

    Faz esta sexta-feira 50 anos que o então chefe do Governo, António de Oliveira Salazar, caiu de uma cadeira de lona no Forte de Santo António do Estoril, sua residência de verão, que marcou o princípio do fim da queda do ditador e do regime. Cerca de um mês depois seria operado de urgência ao cérebro, sequela da queda. A anestesista foi Maria Cristina da Câmara, que depois acompanhou o ditador na recuperação parcial de um gravíssimo AVC. Nos Arquivos Expresso reproduzimos o artigo publicado na revista de 27 de novembro de 2009 no qual, pela primeira vez em 41 anos, a médica falava da cirurgia mais famosa em que colaborou

  • O doente do quarto nº 68

    Diário

    José Pedro Castanheira

    Faz esta sexta-feira 50 anos que o então chefe do Governo, António de Oliveira Salazar, caiu de uma cadeira de lona no Forte de Santo António do Estoril, sua residência de verão, que marcou o princípio do fim da queda do ditador e do regime. Cerca de um mês depois seria operado de urgência ao cérebro, sequela da queda. A anestesista foi Maria Cristina da Câmara, que depois acompanhou o ditador na recuperação parcial de um gravíssimo AVC. Nos Arquivos Expresso reproduzimos o artigo publicado na revista de 27 de novembro de 2009 no qual, pela primeira vez em 41 anos, a médica falava da cirurgia mais famosa em que colaborou