• Esperar sem saber pelo que se espera

    Internacional

    Ana França e Helena Bento

    Donald Trump quer reduzir todos os tipos de imigração - não só a ilegal. É uma das suas bandeiras e uma das principais lutas da sua base conservadora e, por isso, revogou o estatuto de proteção temporária a mais de 300 mil pessoas que a tinham recebido para poderem fugir a catástrofes naturais ou situações de guerra nos seus países de origem. Só de El Salvador chegaram quase 200 mil pessoas, o maior contingente de ‘protegidos’ que Trump quer desproteger. As eleições intercalares dos EUA, que decorrem na próxima terça-feira, podem colocar no poder quem ofereça a estes imigrantes um caminho menos sinuoso para a cidadania e evite que sejam deportados para um país esventrado pela violência entre gangues. Este é o terceiro de cinco artigos que estamos a publicar esta semana sobre as intercalares, numa série que fecha esta sexta-feira com uma análise de Clara Ferreira Alves

  • Esperar sem saber pelo que se espera

    Internacional

    Ana França e Helena Bento

    Donald Trump quer reduzir todos os tipos de imigração - não só a ilegal. É uma das suas bandeiras e uma das principais lutas da sua base conservadora e, por isso, revogou o estatuto de proteção temporária a mais de 300 mil pessoas que a tinham recebido para poderem fugir a catástrofes naturais ou situações de guerra nos seus países de origem. Só de El Salvador chegaram quase 200 mil pessoas, o maior contingente de ‘protegidos’ que Trump quer desproteger. As eleições intercalares dos EUA, que decorrem na próxima terça-feira, podem colocar no poder quem ofereça a estes imigrantes um caminho menos sinuoso para a cidadania e evite que sejam deportados para um país esventrado pela violência entre gangues. Este é o terceiro de cinco artigos que estamos a publicar esta semana sobre as intercalares, numa série que fecha esta sexta-feira com uma análise de Clara Ferreira Alves

  • Ao sétimo país vive com 13 horas de luz todos os dias

    Sociedade

    Raquel Albuquerque

    O Quénia é o sétimo país onde Octávio Vieira está a viver e o quarto dos últimos cinco anos. Dele destaca a paisagem alucinante e o perfeito equilíbrio entre desenvolvimento e natureza. Se no Níger viveu com 50ºC e no Haiti com a extrema pobreza, agora encontrou o sítio onde viver com a mulher e a filha de 16 meses. Esta é a quinta história da segunda série “Em Pequeno Número” que o Expresso começou a publicar há dois anos e que relata as histórias de portugueses que vivem em regiões onde quase não os há