• Dina: “O meu aparelho respiratório está todo lixado, mas há ainda música em mim e vontade de subir a palco para cantar e desbundar”

    Podcasts

    Dina, a artista que nos ajudou durante décadas a celebrar o amor e a paixão com um sorriso nos lábios, há dez anos que sofre de fibrose pulmonar galopante e aguarda a todo o momento um transplante urgente de pulmão. Há um ano e meio, Dina, agora com 61 anos, abriu as portas de casa e falou desta sua doença “filha da mãe limitativa”, das suas escolhas, lutas, vitórias e arrependimentos. Uma coisa deixou como certa: “Não tenho tendência para a depressão e tristeza. Enquanto estiver viva, vou combater e arranjar razões para me levantar da cama. Se me desafiassem agora para compor para um artista, aceitaria na hora.” Uma conversa feita em novembro de 2016 para ouvir neste episódio do podcast “ A Beleza das Pequenas Coisas”

  • Voltar a casa com sentimento de culpa

    Diário

    Raquel Albuquerque

    Foram 15 anos fora de Portugal e agora, aos 35, voltou. Por três vezes as missões humanitárias levaram-na à República Democrática do Congo, de onde veio há poucos dias. Um país de extrema pobreza onde prevalece a resiliência em quem lá vive. Shanti passou os dias a ouvir as populações e a arranjar soluções para as ajudar. Esta é a décima e última história da segunda série “Em Pequeno Número”, que o Expresso publicou durante as últimas duas semanas para contar as histórias dos portugueses que vivem em regiões onde praticamente não os há

  • Relatos do país das pessoas mais calmas e silenciosas

    Sociedade

    Raquel Albuquerque

    Têm águas cristalinas e são conhecidas sobretudo por serem um paraíso turístico. Mas as Maldivas também têm muitos problemas - e não é só o do caos do trânsito. Os preços da habitação e da alimentação são quase proibitivos e ninguém se preocupa com o que atira para o chão ou para a água. Tatiana vive lá há um mês, apanhando todos os dias, de manhã e à tarde, o barco entre a ilha onde vive e a ilha onde trabalha. Esta é a nona história da segunda série “Em Pequeno Número” que o Expresso começou a publicar há dois anos e que relata a vida de portugueses que vivem em regiões onde quase não os há

  • O batismo dos ciclones e uma medalha pela ajuda que deu na fuga dos portugueses

    Sociedade

    Raquel Albuquerque

    Saiu de Portugal quando tinha 20 anos, hoje tem 52. Trabalhou numa estufa de flores, numa fábrica de cadeiras, nas obras e hoje é motorista de camiões numa ilha das Caraíbas, onde durante uma semana as famílias se mudam para a praia e até levam com elas a televisão. Armindo Fernandes já conheceu a fúria dos ciclones e, sem hesitar, acolheu em sua casa os portugueses que tiveram de fugir. Esta é a terceira história da segunda série “Em Pequeno Número”, que o Expresso começou a publicar há dois anos e que relata a vida dos portugueses que vivem em regiões em que quase não os há

  • Cinco horas para percorrer três quilómetros

    Sociedade

    Expresso

    José trabalha na maior fábrica de plásticos de Conacri, para a qual vai a pé todas as manhãs. Vive na Guiné há nove anos, mas este não foi por aqui que começou a sua “permanência em África”. Agora vive entre os negócios à beira da estrada, que são o sustento de muitas famílias, o trânsito caótico das grandes cidades e a tranquilidade do interior. A história de José Santos é a primeira da nova série “Em pequeno número”, que o Expresso começou a publicar há dois anos e que relata a vida dos portugueses que vivem em regiões onde quase não os há