A Beleza das Pequenas Coisas

Kalaf: “O racismo em Portugal continua absolutamente presente mas está mais sofisticado”

Chamam-lhe “o grande agitador cultural”. Isto por abraçar há mais de uma década a mestiçagem musical entre Luanda, Lisboa e o mundo. Ele é Kalaf Epalanga, antes conhecido por Kalaf Ângelo, músico dos Buraka Som Sistema, que lançou agora o seu primeiro romance, “Também os brancos sabem dançar”. Uma conversa que começa por juntar Cavaco Silva à kizomba e termina com um testemunho de amor. Para ouvirem neste episódio do podcast “A Beleza das Pequenas Coisas”

Bernardo Mendonça

Bernardo Mendonça

Entrevista

Jornalista

João Santos Duarte

João Santos Duarte

Edição

Jornalista

Mário Henriques

Ilustração

Assinar no iTunes: http://apple.co/2mCAbq2
Assinar no Soundcloud: http://bit.ly/2nMRpRL
Se usar Android, basta pesquisar A Beleza das Pequenas Coisas na sua aplicação.

Kalaf Epalanga, antes conhecido por Kalaf Ângelo, é um dos mentores do ‘kuduro progressivo’, conceito criado pela sua banda de música eletrónica, os “Buraka Som Sistema”, que durante dez anos foi um caso sério de popularidade. No ano passado a banda fez uma paragem por dores de crescimento. “Estávamos num impasse. No auge dos Buraka sentíamo-nos os primos do campo nos palcos internacionais. Estávamos órfãos, sem uma frente lusa. Não existem revoluções com uma banda só.”

Kalaf, que além de músico é poeta, cronista e pensador deste ‘mambo’ lusófono, afirma-se agora como escritor com o seu primeiro romance, “Também os Brancos Sabem Dançar” onde navega entre a realidade, a autoficção e a capacidade de vestir a pele do outro. Como quando escreve na voz da rapariga que um dia lhe fez uma proposta de casamento para lhe resolver o drama com o passaporte nas fronteiras. Isto e muito mais neste episódio do podcast "A Beleza das Pequenas Coisas".

Ainda neste episódio pode ouvir a rubrica “Eu não sou de intrigas, mas...”, onde comentamos a entrevista da semana e sugerimos mais dois podcasts que andam no nosso ouvido.

E, como já é hábito, no final pode conhecer o décimo testemunho da rubrica “Toda a gente tem uma história”, contado desta vez por Diana Palma Duarte, jornalista da RTP, que nos conta a sua eterna busca por um grande amor.

Este é um desafio que lançamos semanalmente aos ouvintes para que nos contem também as suas experiências e relatos, maiores do que a vida, ou tão simples como ela pode ser. Podem ainda gravar um áudio comentando os episódios que mais gostaram e as vossas razões. Enviem-nos os vossos textos e áudios, comentários e sugestões, para:

abelezadaspequenascoisas@impresa.pt