Política

Marcelo sobre a polémica da PGR: “O tema não existe”

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Presidente da República comentou à SIC o caso da eventual não recondução de Joana Marques Vidal para novo mandato na Procuradoria-Geral da República

Para Marcelo Rebelo de Sousa, a questão que envolve a eventual não recondução de Joana Marques Vidal como Procuradora-Geral da República “não existe”, pelo menos “até ao momento em que tiver de exercer o meu poder constitucional”.

Em declarações à SIC, o Presidente da República frisou que “não se debruçará sobre o assunto um minuto, nem sobre ele dirá o que quer que seja”.

A reação de Marcelo surge depois de fonte oficial ter afirmado ao Expresso que "o Presidente da República não comenta entrevistas da ministra da Justiça".

Em causa está uma declaração da ministra da Justiça, que, em entrevista à TSF, defendeu “um mandato longo e um mandato único” para o procurador-geral, acrescentando Francisca van Dunem que, “historicamente, é essa a ideia subjacente ao mandato".

  • Mal-estar: Marcelo espera explicações de Costa sobre Marques Vidal

    Oficialmente, “o Presidente da República não comenta entrevistas da ministra da Justiça”, mas o mal-estar é indisfarçável. Ao dizer que a interpretação de Francisca Van Dunem lhe “parece correta”, António Costa tomou posição. Sem ouvir Marcelo, que faz um juízo positivo da atual PGR e a quem compete nomear o próximo

  • Constitucionalistas contrariam ministra: PGR só é afastada se o Governo quiser

    Para a ministra da Justiça, o mandato de Joana Marques Vidal, procuradora-geral da República (PGR), termina em outubro e não é renovável. “É a interpretação jurídica que eu faço”, argumentou Francisca Van Dunem à TSF. “A ministra está equivocada e é muito preocupante que não saiba ler a Constituição”, diz um especialista ao Expresso. Presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público põe em causa timing do anúncio da decisão

  • Costa também admite mandato único na PGR. Mas ainda não há decisão

    Possível saída da Procuradora Geral da República em outubro, após cumprir um mandato único, ainda não está fechada. Mas a ministra da Justiça abriu a porta a essa possibilidade e o primeiro-ministro não a fechou. “À primeira vista tenderei a concordar com essa interpretação”, disse. PSD fala em tentativa de “condicionar o trabalho” de um PGR que levou a justiça a não ser “fraca com os fortes”