Política

Cônsules honorários redobraram de importância, diz secretário de Estado

MÁRIO CRUZ/LUSA

Devido à restrições financeiras impostas nos últimos anos, estes representantes têm assumido uma importância anda maior, defende José Luis Carneiro

Luísa Meireles

Luísa Meireles

Redatora Principal

Apoiar o investimento e o empreendedorismo, promover a língua portuguesa e inserir Portugal nas redes da ciência, cultura e inovação, eis os três objetivos que o Primeiro-ministro colocou esta segunda-feira aos cerca de 110 cônsules honorários que estão presentes no I Encontro de Cônsules Honorários de Portugal em todo o mundo, que se realiza hoje e amanhã em Lisboa.

O tema é a "Rede Honorária de Portugal no Mundo: realidade e potencial", que reune em 105 países 234 cônsules. O encontro arrancou com a presença do primeiro-ministro e o ministro da Cultura, bem como os secretários de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Internacionalização.

Com um objetivo declarado de ser um encontro de trabalho, o secretário de Estado das Comunidades, José Luis Carneiro traçou na sua intervenção inicial, os fins de estabelecer uma metodologia de conhecimento, dar uma orientação política e estabelecer critérios escrutináveis da atuação dos cônsules, bem como definir regras relativamente as seus poderes.

Segundo José Luis Carneiro, devido à restrições financeiras impostas nos últimos anos, estes representantes do Estado português têm assumido uma importância anda maior, nomeadamente em locais distantes dos postos de carreira e onde há comunidades significativas.

Entre as prioridades do Governo para as comunidades, o secretário de Estado referiu-se ao apoio e proteção em casos de emergência, o ensino da língua portuguesa e o apoio ao associativismo. A ideia é tornar regulares este tipo de encontros.