Política

Costa diz que as suas palavras sobre Monchique foram “deturpadas”

TIAGO PETINGA/LUSA

Primeiro-ministro referiu-se ao incêndio que lavra em Monchique como sendo “a excepção que confirmou a regra do sucesso da operação de combate aos incêndios”

Luísa Meireles

Luísa Meireles

Redatora Principal

As declarações que o primeiro-Ministro proferiu quarta-feira numa conferência de imprensa no final de deslocação à Autoridade Nacional da Proteção Civil foram "descontextualizadas e deturpadas", afirma-se numa nota de imprensa distribuída à comunicação social.

Sem indicar a quem se dirige, a nota refere que o primeiro-ministro se referiu à situação de calor intenso que tinha sido observada no país e que, nesse contexto, realçou que nos cinco dias críticos tinham sido registadas 582 ignições que deram origem a 26 incêndios e que, "desses, apenas um, o de Monchique, teve esta dimensão [de grandeza]. Ou seja, este, obviamente, é uma exceção. É a exceção que confirma a regra do que aconteceu no conjunto do País", refere.

Nessa intervenção, o primeiro-ministro referiu-se ao incêndio que lavra em Monchique como sendo "a excepção que confirmou a regra do sucesso da operação de combate aos incêndios", o que deu azo a que alguns comentadores considerassem que António Costa revelava "insensibilidade" e que era "deprimente" ter um Governo a "lamentar-se de que teve êxito em todas as ignições menos numa".

"O primeiro-ministro não só não procurou desdramatizar ou desvalorizar a gravidade da situação em Monchique, como disse, pelo contrário, que a situação era alarmante e ia agravar-se", adianta-se ainda na nota, que também considera "falsas" as alegações segundo as quais as suas declarações tinham servido para "elogiar as políticas do Governo".

Ao contrário, afirma-se, António Costa elogiou todos os portugueses "pelo esforço de limpeza feito ao longo do ano e pela contenção de comportamentos de risco".

O comunicado volta a referir que ainda é cedo para se fazer balanços e que é prioritário é "assegurar a proteção da vida das pessoas", reiterando a solidariedade para com aqueles que foram afetados pelos incêndios.