Revista de imprensa

Operação Marquês: seis ministros e dois secretários de Estado de Sócrates vão ser chamados a depor

Luí­s Barra

Mário Lino, antigo ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, que esteve envolvido no processo Face Oculta também foi chamado

Não é qualquer processo judicial que vê entrar pela porta das testemunhas ex-ministros e ex-secretários de Estado. Mas a Operação Marquês está longe de ser um processo qualquer. Segundo o “Público” esta sexta-feira, o Ministério Público vai chamar a depor oito membros dos dois governos chefiados pelo ex-primeiro-ministro José Sócrates, entre 2005 e 2011.

Terão de comparecer no Campus da Justiça os antigos titulares da pasta das Finanças, Luís Campos e Cunha e o seu sucessor Fernando Teixeira dos Santos. Mário Lino, antigo ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, que esteve envolvido no processo Face Oculta também foi chamado.

A atual ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, foi chamada a depor, pois, durante o primeiro Governo Sócrates, foi secretária de Estado dos Transportes.

António Mendonça, ministro das Obras Públicas entre Outubro de 2009 e Junho de 2011, e Francisco Nunes Correia, ministro do Ambiente do primeiro Governo Sócrates, também foram chamados. Lembremos que o ex-ministro do Ambiente esteve envolvido no processo de licenciamento do empreendimento de Vale do Lobo.

Do executivo do ex-primeiro-ministro, serão ainda chamados dois ex-secretários de Estado: o juiz José Conde Rodrigues, que desempenhou as funções de Secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna e de Secretário de Estado Adjunto e da Justiça nos dois Governos Sócrates. José Pinto Ribeiro, antigo ministro da Cultura, no segundo Executivo socialista.

Esta informação consta do rol de 229 testemunhas apresentado pela acusação e do do despacho final do inquérito, onde são imputados 31 crimes a José Sócrates.

  • “Não se dizia que não a Ricardo Salgado”

    O Expresso pré-publica parte do novo livro do jornalista Fernando Esteves, “A Sangue Frio”, editado pela Matéria-Prima, sobre a Operação Marquês e as “ligações intricadas” entre José Sócrates e outras figuras implicadas no maior inquérito-crime sobre corrupção em Portugal. O excerto que revelamos reproduz o momento em que Hélder Bataglia, o homem-forte do Grupo Espírito Santo em África, conta ao Ministério Público como o banqueiro Ricardo Salgado lhe pediu para fazer chegar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegado testa de ferro do ex-primeiro-ministro socialista

  • Jorge Coelho: “Isto não cola com o José Sócrates que eu conheci a vida toda”

    A acusação da Operação Marquês esteve em debate no programa “Quadratura do Círculo” da SIC Notícias. Pacheco Pereira diz que há muito tempo que se sabia que havia coisas muito erradas com Sócrates. Para António Lobo Xavier é impossível fugir ao rasto dos milhões passados de conta em conta. Já Jorge Coelho garante que as acusações não colam com o Sócrates que conhece

  • 12 perguntas e respostas sobre o maior caso judicial da democracia portuguesa

    A 21 de novembro de 2014, o ex-primeiro-ministro José Sócrates foi detido no aeroporto de Lisboa, quando regressava de Paris, sob a suspeita dos crimes de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção. Acabou por ficar em prisão preventiva durante 11 meses: 288 dias na cadeia de Évora e 42 em prisão domiciliária. Quase três anos depois, o inquérito da Operação Marquês, conduzido pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), está finalmente concluído. A acusação foi divulgada esta quarta-feira: foram acusadas 19 pessoas, incluindo Sócrates, e 9 empresas, num total de 188 crimes. O despacho de acusação tem mais de 4 mil páginas