Revista de imprensa

Só o PCP defende o regresso do serviço militar obrigatório

Marcos Borga

Nenhum partido com representação parlamentar, a não ser o PCP, parece estar disposto a apoiar o regresso do Serviço Militar Obrigatório (SMO), conta o “Público” esta sexta-feira

Há pouco menos de duas semanas, Azeredo Lopes lançou a ideia sobre uma possível reintrodução do serviço militar obrigatório (SMO) - “uma ideia interessante”, disse na altura o ministro da Defesa -, mas nenhum partido com representação parlamentar, a não ser o PCP, parece estar disposto a apoiar essa iniciativa, conta o “Público” esta sexta-feira.

Pelo que apurou o matutino, o Bloco de Esquerda é totalmente contra a ideia; PS e CDS são comedidos e dizem que é necessário avaliar e estudar o reforço de incentivos para aumentar a entrada e permanência de militares nas Forças Armadas; já o PSD não tem uma posição formal, mas há deputados na Comissão de Defesa que são pessoalmente a favor do SMO, escreve o jornal.

Por sua vez, o PCP defende tanto a reintrodução do SMO, como a necessidade de repensar todo o sistema de incentivos das Forças Armadas. Em declarações ao “Público”, Rui Fernandes, membro da Comissão Política do Comité Central do PCP, lembrou que os salários são muito baixos (um recruta ganha 196 euros mensais, por exemplo) pelo que é preciso, “efectivamente”, promover a equivalência e a certificação dos cursos frequentados nas Forças Armadas com os civis.

O dirigente comunista recordou também que o partido se opôs ao fim do SMO, mas a reintrodução “não se faz num golpe de mágica” nem pode ser equacionada “numa visão instrumental, porque se precisa de dez mil militares, porque é preciso combater o terrorismo ou fazer regressar os valores” da pátria.

De acordo com Rui Fernandes, o regresso do SMO deverá ser feito “com tempo”, pois para tal é preciso estudar as “condições de logística e formação, identificar necessidades”. “Talvez demore mais tempo a repor do que levou a acabar com ele”, disse.