Revista de imprensa

ANA vai pagar 115 milhões à Força Aérea para tirar aviões do Montijo

José Caria

Das atuais esquadrilhas que se mantêm actualmente sediadas na base área n.º 6, do Montijo, apenas a dos helicópteros Lynx, da Marinha, ali permanecerá, avança o “Público” esta sexta-feira

Após meses de negociações, já há acordo para a coabitação entre os aviões militares e os voos civis no futuro aeroporto do Montijo, avança o “Público” esta sexta-feira. A Força Aérea vai deslocar uma esquadrilha para a base de Beja e outra para Sintra, sendo que a fatura destas mudanças ficará pelos 115 milhões, valor que será pago pela ANA - Aeroportos de Portugal. Neste momento, ainda não se sabe em que moldes irá ocorrer o pagamento - de uma só vez e quando ou em prestações.

A solução já foi consensualizada e fará parte do acordo da construção da nova infra-estrutura complementar ao Aeroporto Humberto Delgado que Governo e ANA deverão assinar nas próximas semanas, escreve o matutino.

Das actuais esquadrilhas que se mantêm actualmente sediadas na base área n.º 6, do Montijo, apenas a dos helicópteros Lynx, da Marinha, ali permanecerá. A esquadrilha dos helicópteros EH101 vai para Sintra. Os C295 vão mudar-se para Beja.

Figo Maduro, um “aeroporto de Estado”

O mesmo diário noticia ainda que as mudanças levadas a cabo pela Força Aérea no Montijo terão também implicações no aeródromo de Figo Maduro. Segundo o “Público”, Figo Maduro passará a ser um "aeroporto de Estado", onde vão estacionar os três Falcon que transportam o Presidente da República, primeiro-ministro e outros governantes.

O diário avança ainda a criação de uma zona VIP para receber chefes de Estado e de Governo de outros países que cheguem em voos militares.