Sociedade

GNR apedrejado após perseguição a carro que não parou em operação STOP

Militar foi apedrejado na cabeça por duas mulheres que se encontravam na viatura que não parou e que acabou por se despistar. Caso aconteceu no concelho de Castelo Branco

Um militar da GNR de Castelo Branco foi apedrejado na cabeça por duas mulheres, após ter detido o condutor de uma viatura que não parou numa operação de fiscalização de trânsito, por volta das 11h desta quarta-feira, próximo da localidade de Maxiais, concelho de Castelo Branco, segundo o Expresso apurou junto daquela força policial.

As agressoras, duas mulheres de 37 anos, foram detidas e serão presentes a tribunal esta quinta-feira. O condutor acabou por conseguir fugir, não tendo ainda sido apurada a sua identidade.

Após ter sido perseguido por uma patrulha, a viatura que não parou na operação STOP acabou por se despistar. O condutor pôs-se depois em fuga a pé. O militar “conseguiu agarrar o condutor, mas entretanto foi agredido pelas costas na cabeça com pedras, o que permitiu a fuga do condutor”, esclareceu o tenente-coronel Miranda, da GNR de Castelo Branco.

O militar agredido recebeu tratamento hospitalar, tendo sido suturado na cabeça, mas já teve alta e esta quinta-feira já voltará ao serviço.

Inicialmente foi também detida uma rapariga de 15 anos e um outro homem de 37 anos, que também seguiam na viatura, mas que entretanto foram libertados por não terem participado na agressão.

A mesma fonte indicou também que não se conseguiu apurar se a fuga terá sido motivada por ausência de carta de condução ou por outros motivos.

O “Jornal de Notícias” refere que o condutor da viatura conseguiu roubar uma arma ao elemento da GNR agredido. Mas a força policial de Castelo Branco não se pronunciou sobre esta última informação.