Sociedade

Sobrelotação desviou doentes transportados pelo INEM na zona de Lisboa

O frio acima da média, o feriado do Carnaval e muitos mais idosos com problemas cardíacos e respiratórios fizeram com que os doentes transportados pelo INEM na zona de Lisboa tivessem de escolher a que porta hospitalar deviam de bater. Entre quarta e este sábado o trabalho médico não foi fácil, mas já está regularizado

Um frio acima do normal a causar problemas cardíacos e respiratórios num número pouco habitual de idosos, somado ao feriado de Carnaval no meio da semana, fizeram com que aumentasse o fluxo de ambulâncias com doentes urgentes desviadas de hospitais como Amadora Sintra, Cascais, Santarém e Vila Franca de Xira. Causa? A sobrelotação.

Os problemas começaram na quarta-feira e apenas neste sábado foram resolvidos, com Vila Franca de Xira a ser a última unidade hospitalar a regularizar a situação, que só terá acontecido hoje mesmo.

Luís Pisco, presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), explicou ao Expresso que "houve de facto um aumento da procura muito superior ao habitual" e que, "como acontece em situações semelhantes", o fluxo de doentes urgentes transportados pelo INEM "foi transferido para hospitais com melhores condições para atender aos doentes".

Neste momento, o responsável diz ainda que a situação está regularizada e que nunca chegou a afetar os doentes que se dirigiram às urgências por meios próprios.

Os mais afetados foram, portando, aqueles que entram em contacto com o INEM através do através do Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU). Ou seja, aqueles que pedem socorro através do 112 e que, em caso de emergência médica, são transferidos para as centrais do INEM. E, como explica a página eletrónica do Serviço Nacional de Saúde, "compete aos CODU atender e avaliar no mais curto espaço de tempo os pedidos de socorro recebidos, com o objectivo de determinar os recursos necessários e adequados a cada caso". Foi o que aconteceu, com deslocações dos doentes para o Hospital de Santa Maria ou Hospital de São José.

Esta semana, portanto, o acúmulo de um frio anormal com a terça-feira de Carnaval fez com que, segundo Luís Pisco, o afluxo de doentes graves, "sobretudo idosos com descompensações cardíacas e problemas respiratórios, fosse muito acima do habitual". O presidente da ARSLVT explica ainda que as segundas-feiras costumam ser os dias da semana com maior incidência de casos, mas, esta semana, a quarta-feira "funcionou como uma dupla segunda-feira".