Sociedade

Portugal disposto a receber 24 imigrantes do navio Lifeline

O navio Lifeline atracou em Malta dia 27 e as pessoas resgatadas deverão ser agora acolhidas em vários países europeus

HERMINE POSCHMANN / MISSION LIFELINE / HANDOUT

O ministro da Administração Interna revelou esta terça-feira que o país está disponível para acolher 1/10 dos 234 imigrantes que estão a bordo do navio humanitário Lifeline. Embarcação atracou esta noite

O navio, operado pela organização não-governamental alemã Lifeline Mission, está parado há seis dias no Mediterrâneo. Atracou esta quarta-feira à noite em Malta com 234 imigrantes a bordo. Desses, 24 (aproximadamente) serão acolhidos por Portugal, revelou o ministro da Administração Interna. Em resposta ao pedido de ajuda do governo maltês a mais uma emergência humanitária, Eduardo Cabrita avançou com a possibilidade do país receber 1/10 dos ocupantes da embarcação.

Não foi o único. Joseph Muscat, primeiro-ministro de Malta, garantiu esta quarta-feira que, além de Portugal, também o seu país, a Bélgica, a França, a Irlanda, a Itália, a Holanda e o Luxemburgo vão acolher os imigrantes do MV Lifeline.

O presidente Emmanuel Macron anunciou que a França "receberá algumas dezenas" de imigrantes. “Já sei que é limitado, mas assim funciona a solidariedade europeia”, explicou esta quarta-feira no Vaticano, onde se reuniu com o papa Francisco. O Luxemburgo, por sua vez, anunciou o acolhimento de 15.

O navio chegou ao porto de La Valetta ao princípio da noite. Ainda esta quarta-feira começarão os procedimentos de identificação, elegibilidade e distribuição pelos estados membros, "ao mesmo tempo que será garantida a necessária assistência médica", informaram as autoridades maltesas. Ou seja, não há ainda garantia de que todos os imigrantes permanecerão na Europa: os que preencherem as condições para pedir asilo ficam, os imigrantes económicos deverão ser repatriados.

O navio terá sido, entretanto, apreendido, como anunciado previamente. As autoridades locais vão investigar a legalidade do registo do MV Lifeline e a sua atuação no mar, incluindo as suspeitas de que terá desligado os dispositivos de posicionamento.