Sociedade

Foi encontrada a cor mais antiga do mundo. Sabe qual é?

Os cientistas conseguiram voltar atrás no tempo anos suficientes para isolar a cor mais antiga do mundo. Foi encontrada colada a rochas encontradas sob o deserto do Sahara. Sabe qual é?

A cor mais antiga do mundo tem mais de mil milhões de anos e é da cor dos flamingos, a cor do algodão doce ou aquela que associamos às pastilhas elásticas - cor-de-rosa. Investigadores da Universidade de Austrália (ANU) encontraram pigmentos desta cor no subsolo da Mauritânia, colados a rochas enterradas debaixo das areias do Sahara.

Nur Gueneli, que encontrou a cor depois de esmigalhar a rocha e isolar os pigmentos, afirmou tratar-se de fósseis moleculares de clorofila, produzida por organismos fotossintéticos que habitaram um oceano desaparecido há milhões de anos. A cientista da ANU garante que, antes desta descoberta, a cor mais antiga conhecida tinha ainda assim menos 500 milhões de anos do que este cor-de-rosa, que adquire uma cor vermelho-sangue quando mais concentrado.

Mas o mais interessante é que esta descoberta permite saber mais sobre uma época da vida do planeta durante a qual nem existiam animais. Jochen Brocks, mais um dos investigadores ligados ao projeto, disse à BBC que descobrir esta cor é o equivalente a “descobrir um pedaço de pele de dinossauro fossilizado que tivesse retido a sua cor original”. O professor mostrou-se particularmente entusiasmado com o que esta descoberta quer dizer. “Isto que descobrimos são moléculas. Não de uma enorme criatura mas de organismos microscópicos porque não havia animais ainda na altura”.

Apesar de a Terra ter 4,6 mil milhões de anos, espécies que hoje podemos considerar “animais” só apareceram há 600 milhões de anos. Ao analisarem mais detalhadamente os fragmentos de cor ficou claro para os investigadores que se tratava de cianobactérias, os tais organismos fotosintéticos. “As cianobactérias dominavam a base da cadeia alimentar nos oceanos há mil milhões de anos e essa é a razão pela qual não encontramos animais, não havia alimentos suficientemente nutritivos que pudessem levar à sua evolução.

Os oceanos dominados por estes organismos começou a desaparecer há 650 milhões de anos, e foi por volta dessa altura que as algas começaram a espalhar-se muito rapidamente. “As algas foram a injeção de energia que era precisa para a evolução de ecossistemas mais complexos, onde enormes criaturas, incluindo, podiam vingar”, explicou ainda o professor.