Sociedade

Ministro da Administração Interna nega falhas no combate aos incêndios e distribui elogios

Em entrevista à TVI, Eduardo Cabrita não respondeu à maioria das críticas com que foi confrontado e culpou as “condições meteorológicas absolutamente excecionais”

Questionado esta quinta-feira, em entrevista à TVI, sobre se o Governo cometeu alguma falha em termos de estratégia no combate ao incêndio que lavra em Monchique há quase uma semana, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, não respondeu diretamente, limitando-se a sublinhar que se verificaram “condições meteorológicas absolutamente excecionais” e a elogiar o “empenho e capacidade de articulação” das autarquias locais, estruturas da segurança social e da GNR, bem como da Proteção Civil e estruturas de emergência médica. “Tudo isso contribuiu para que não registassem perdas humanas.”

Sobre as críticas da presidente da Câmara da Silves, Rosa Palma, que esta quinta-feira denunciou ter havido falhas de comunicação e coordenação no combate ao incêndio que está a atingir vários concelhos algarvios, Eduardo Cabrita garantiu que a autarca foi “permanentemente acompanhada” e que “compreende a angústia natural” face ao sucedido.

O ministro referiu ainda que a população em risco foi “retirada atempadamente” dos locais ameaçados pelo fogo e que o Governo tinha classificado já o Algarve como uma área de grande risco - daí que, conforme garantiu, “todos os meios tenham sido posicionados”.

Questionado a respeito das crítica feitas à mudança da coordenação do fogo de Monchique para o comandante nacional - considerada tardia pela presidente do CDS-PP, Assunção Cristas -, Eduardo Cabrita disse que foi feita “uma avaliação em função da duração do evento e das condições no terreno” e que a decisão de transferir o comando “teve que ver com a evolução do incêndio e a dimensão dos meios”.

O ministro foi ainda confrontado com as críticas feitas pela Associação Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP), que disse não entender como é que o fogo não foi dominado. Mais uma vez, não respondeu diretamente, limitando-se a elogiar a “articulação dos bombeiros”. Sobre a audiência com o ministro da Administração Interna pedida pela ANBP, mas também pelo Sindicato Nacional de Bombeiros Profissionais, Eduardo Cabrita disse que ambas as entidades serão recebidas assim que terminar a fase de combate aos fogos.