Sociedade

Depois da Felix, a Gisele: mais chuva e vento nos próximos dias

Getty Images

Chuva, vento e mar agitado. Esta quarta-feira, Portugal está sob aviso amarelo, o segundo mais grave numa escala de quatro

A pouco mais de uma semana do começo da primavera, parece que estamos em pleno inverno. Depois da depressão Felix, que afetou todo o país, chega a Gisele, também ela uma depressão que vai provocar vento forte, chuva intensa e grande agitação marítima. Já a partir da madrugada desta quarta-feira, começam a entram em vigor os avisos do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). O mapa de Portugal está pintado de amarelo - o segundo nível mais grave numa escala de quatro.

Foi atribuído o nome Gisele a uma depressão centrada a norte/noroeste do arquipélago dos Açores e em deslocamento para leste. Com a passagem de uma superfície frontal fria associada a esta depressão prevê-se para Portugal continental, a partir de quarta-feira, um agravamento das condições meteorológicas, com ocorrência de precipitação, que pode por vezes ser forte, acompanhada de granizo e trovoada. O vento irá também intensificar, em especial no litoral e nas terras altas”, informa o IPMA.

Ao longo desta quarta-feira, vão entrando em vigor os vários avisos amarelos: durante a madrugada e manhã mais na zona norte; durante a tarde, estende-se ao centro e sul do país. Na Madeira, prevê-se o agravamento das condições meteorológicas, sobretudo na noite de quarta para quinta-feira. Também o arquipélago dos Açores vai se afetado - aliás, já foi esta terça-feira.

A Proteção Civil mantém os avisos dos últimos dias devido “ao agravamento da situação meteorológica”. Há possibilidade de as estradas ficarem escorregadias e de se formarem lençóis de água e gelo; no meio urbano podem acontecer cheias devido acumulação de águas pluviais ou insuficiências dos sistemas de drenagem; e as zonas costeiras, que são mais vulneráveis, podem transbordar e provocar inundações.

Assim, deve assegurar que os escoamentos de águas estão desentupidos, conduzir com especial cuidado, não atravessar zonas inundadas, fixar estruturas soltas (por exemplo, andaimes, placards e outras estruturas suspensas), não praticar atividades relacionadas com o mar e ter atenção quando circular junto à costa, se possível evitar passar por estes locais.

A depressão Gisela vai afetar também “a região noroeste de Espanha e a região da Bretanha, seguindo depois a sua trajetória na direção das ilhas Britânicas”.